Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uma questão de juízo

por jl, em 23.06.17

bebé.jpg

Boas.

Eu tenho que admitir que por vezes tenho uma pancadazita. Mas quando leio certas coisas acho que fico curado de repente. Cá vai:

Pendurou o bebé no 15º andar para exigir "1000 gostos"

Um tribunal argelino condenou um homem a dois anos de prisão por ter pendurado o filho bebé no 15.º andar e ter partilhado uma fotografia no Facebook, dizendo "1000 gostos ou deixo-o cair". Sendo que o senhor foi condenado dá para ver que isto não é o sentido de humor lá da terra.

Depois de várias denúncias, o pai do bebé foi detido e acusado de pôr em perigo a vida da criança.

O incidente ocorreu num complexo de apartamentos na capital do país, Argel.

Não é por nada mas acho que a pena foi em demasia. Se eu fosse juiz condenava esta cavalheiro a metade da pena. A outra metade convertia num castigo semelhante mas desta vez punha o filho a segurar no pai no mesmo andar. Não era giro?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Só neste país!

por jl, em 23.06.17

balao.jpgOlá.

Hoje ao ler as notícias vi algo de interessante e que nos falava especialmente desta data. Cá vai:

Lançar balões de São João é este ano proibido, podendo levar a uma multa até aos cinco mil euros por pessoa singular, e a PSP do Porto disse esta quinta-feira que irá proceder à fiscalização durante os festejos.

O lançamento de um balão de São João pode ter uma contra-ordenação punida por coima que pode variar entre os 140 euros e os cinco mil euros, no caso de pessoas singular, e os 800 euros e os 60 mil euros no caso de pessoa colectiva, indica a portaria n.º 195/2017 ontem publicada.

Em primeiro lugar respeito imensamente todas as pessoas vítimas do flagelo dos incêndios.

Em segundo lugar estou com um ligeiro palpite que poucas pessoas estarão atentas quer a esta lei, quer a cumprir esta lei.

E terceiro, tenho uma dúvida. Se não seria mais eficaz ter lançado esta lei há já muito tempo atrás e se não seria lógica ir às lojas que vendem estes produtos e estes serem proibidos de serem postos à venda? É que por esta ordem de ideias um dia destes vai valer a pena ser traficante de droga! É que por esta lógica, os consumidores é que deveriam ser punidos.

Nos anos anteriores quantos incêndios foram causados por balões de São João?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:45

Hora de mudar também em Portugal

por jl, em 23.06.17

telemoveis.jpg

Olá.

Hoje em dia cada vez mais está a falar-se dos direitos de consumidores. Mas existem países em que esses direitos são falados mas também executados e claro está que Portugal ainda não é bem um desses países. Cá vai uma pequena história:

Canadá obriga operadoras a vender telefones desbloqueados

Há muitos anos que a formula dos operadores é quase sempre a mesma. Obrigam os clientes a terem os seus equipamentos bloqueados e a pagarem um valor, muitas vezes elevado, para terem os seus equipamentos libertos. Ou seja tem que se pagar por um aparelho que já foi pago por nós! Humm!

O Canadá resolveu agora mudar esta posição de uma vez por todas e, no país, as operadoras passam a ter de vender os telefones desbloqueados e não cobrar para desbloquear os actuais.

Uma prática que todos conhecemos e que insistentemente repudiamos aos operadores de telecomunicações é a de venderem equipamentos bloqueados, não permitindo que estes possam ser usados noutras redes. Ou isso ou quase que somos assaltados para que isso aconteça.

No Canadá, onde esta situação acontecia, a entidade reguladora das telecomunicações resolveu intervir e passou a obrigar que os operadores passem a vender os equipamentos livres da rede e sem qualquer bloqueio. Para além disso, todo e qualquer telefone bloqueado deverá ser obrigatoriamente desbloqueado pelas operadoras, sem que seja exigido qualquer valor ao cliente. Esta lei será posta em uso em Dezembro deste ano.

Estas situações acontecem em quase todos os países do mundo, onde os operadores vendem os equipamentos bloqueados e cobram valores elevados para que os clientes os possam usar noutras redes.

Em Portugal a situação não é diferente, com a maioria dos operadores a vender equipamentos que não podem ser usados noutras redes e cobrando valores demasiado elevados para que esta situação seja alterada.

As operadoras de comunicações são empresas em que o consumidor e o cliente é o ponto fulcral. Quem não estiver preparado para isto só tem que sair do mercado. Quando o serviço é bom e nisto o preço está incluído, o consumidor é fiel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57


A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Comentários recentes


Mensagens




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D