Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Toca a acordar

por jl, em 31.08.17

choro.jpgBoas.

Esta semana quando puder vou colocar uma velinha na Igreja porque a partir desta idade considero-me uma pessoa bem ajuizada. Para comprovar isso mesmo deixo aqui um artigo que basicamente fiquei meio parvo quando o li. Cá vai então:

Mãe corta pénis do filho usando uma tesoura para se vingar do ex-marido

Segundo informações, a mulher queria voltar para o ex-marido, após ter passado um ano fora de casa.

A Polícia está a investigar um crime cometido por uma mulher na cidade de Fuzhou, na província de Jiangxi, na China. A acusada, que não teve o nome revelado, é acusada pela polícia local de ter usado uma tesoura para cortar o pénis do seu filho (é mesmo o seu filho, as palavras que estão escritas), identificado como Xiao Wen. De acordo com imprensa local, a mulher supostamente queria voltar para o ex-marido, mas, como ele não aceitou, resolveu vingar-se deste e da sua família cortando o pénis da criança.

Segundo os avós da vítima, logo que eles ficaram a saber do que tinha ocorrido com o neto, rapidamente socorreram a criança, levando-a para uma unidade médica na localidade, onde recebeu atendimento necessário para o caso.

De acordo com a direcção do hospital, a vítima chegou ao local todo ensanguentada. Em seguida, passou por uma cirurgia para implantação do órgão genital. Felizmente, a cirurgia ocorreu tudo bem e a criança não corre risco de vida.

A imprensa local informa que, segundo o médico que atendeu a criança, o estado de saúde da vítima é estável e que ele pode esperar uma recuperação completa, se o tratamento correr tudo bem. Numa entrevista, o médico relata que no futuro o menino poderá ter filhos.

Segundo informações da avó da criança, a mulher usou uma tesoura caseira simples para cometer o crime.

Um inquérito policial foi aberto e o caso está a ser investigado. As autoridades locais não informaram se a mulher acusada de ter cometido o crime foi presa ou se ela foi intimada para comparecer para prestar mais esclarecimento sobre o caso aos meios judiciais.

Às vezes aparecem notícias que só mentes perversas é que pensariam nisso, mas o que me preocupa é que hoje em dia as mesmas acontecem quase diariamente. Pode ser que isto um dia mude. O grande problema é que cada dia que passa, faz com que seja cada vez tarde demais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

Já não é coisas de gajas

por jl, em 31.08.17

menstruação.jpgBoas.

Enquanto hoje andava a ver o que andava aí na Net deparei-me com um artigo que me despertou a curiosidade. O mesmo falava do Período Menstrual e da vergonha que as mulheres têm ao falar disso. Até posso compreender e concordar mas tenho que ser egoísta e falar nos homens. Quantas vezes nós, (e estou também incluído) é que falamos disto com as nossas esposas ou namoradas? Pois bem para que o tabú e a vergonha fique mais enterrado aqui deixo uma peça que fala mesmo disto. Então cá vai:

O tabu da menstruação. Quem tem medo do período?

As mulheres passam um total de 8 anos com o período, mas continuam a pedir tampões num sussurro mesmo perante as outras mulheres. De emojis a baixas para as dores menstruais, o tabu tem consequências e há quem queira acabar com ele. Tem que se falar disto!

Hoje em dia embora a Sociedade esteja cada vez mais aberta, falar no período começa a ser mais fácil, pelo menos quando comparadas com o chaupadi – a prática hindu que ainda hoje obriga muitas mulheres no Nepal a ficarem fora da sua casa, e a dormir na rua ou em abrigos para animais, durante a menstruação, a fim de preservar a pureza do lar –, e cada vez se levam menos a sério, mas são símbolos de estereótipos maiores com consequências reais na forma como a menstruação continua a ser um tabu no século XXI. Sim em 2017, isto é como falar de um segredo de Estado!

Já não valem exactamente as palavras do Velho Testamento, onde se lê que a mulher com o período fica “impura durante sete dias”  (nem relacionado com as religiões fala sobre isto?) e torna impuro tudo aquilo em que toca durante essa fase, mas não foi há assim há tanto tempo que o Instagram eliminou uma imagem partilhada pela fotógrafa Rupi Kaur por não seguir “as normas da comunidade”: era uma fotografia de uma mulher de pijama, deitada de costas na cama, com uma mancha de sangue nas calças e outra nos lençóis. Se ainda fossem imagens de assassinatos ou pornográficas estava tudo bem, agora «disto» não.

Segundo um estudo da associação Plan International, especializada em questões femininas, os números em 2017 continuam a ser preocupantes: dois terços das mulheres sentem-se desconfortáveis a falar do período com os homens que conhecem (incluindo os pais e namorados), um quarto das mulheres tem vergonha de falar sobre isso com as colegas de trabalho, 50 por cento das estudantes diz que não falaria sobre isso com uma professora e 75 por cento não abordaria o assunto com um professor, e isto é sem sair da Europa. No Gana, por exemplo, 90 por cento das mulheres sente vergonha de ter o período e na Etiópia 51 por cento perde um a quatro dias de escola por mês por estar com a menstruação. Se compreendo que muitas raparigas até possam ter vergonha de falar com os pais (embora as mães penso que terão que alterar este estado de coisas), o falar com o seu companheiro não seria o normal?

Se cada mulher tem, em média, cerca 450 ciclos menstruais durante a vida, que é o equivalente a cerca de 3.000 dias (ou 8 anos e meio), e se é provável que neste momento cerca de 800 milhões de pessoas no mundo estejam com o período, além de estar mais do que enquadrado no funcionamento normal do sistema reprodutivo, os especialistas têm dificuldade em entender que o tabu ainda exista em 2017, e mais dificuldade ainda em perceber o silêncio em torno da menstruação, sobretudo tendo em conta os danos que provoca.

Mesmo, mas deixo aqui uma pequena reflexão. Sou de uma altura em que isso era (e pelos vistos é) uma coisa que não se falava em casa, mas não seria um bom tema para abordar nas Escolas em vez de coisas que quase de certeza não trarão nenhum benefício?

Uma das coisas «engraçadas» é que por exemplo nos filmes ou em telenovelas, não há mulheres menstruadas. Nos livros infanto-juvenis, onde assuntos mais complexos (a morte ou doenças mais graves, por exemplo) são abordados para preparar as crianças para lidar com eles, não existe o período.

E é assim na cultura pop em geral. O que, ainda assim, não tem consequências tão prejudiciais como o facto de a TPM (tensão pré-menstrual) e as dores menstruais serem referidos quase sempre em tom de comédia ou como um capricho de género. E nisto as mulheres ligadas ao mundo da Televisão ou Cinema pouco levantam a sua voz.

“Essas dores há muito tempo que se limitam a ser levadas a sério apenas entre mães, filhas, irmãs e amigas, em vez de serem alvo de um debate sério e permanente por parte de toda a sociedade”, diz Siobhan Fenton, académica na área da sexualidade, num artigo publicado no jornal britânico The Independent em que defende que o verdadeiro impacto físico do período só não é levado a sério por causa dos estereótipos de género, que fazem com que as dores pareçam um exagero dramático das mulheres.

Para não ser muito chato, amanhã a esta hora estarei aqui novamente com a segunda parte do artigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Tudo louco

por jl, em 30.08.17

savannah-e-a-mae-biologica-.jpgBoas.

Sempre ouvi dizer que ser Mãe é daquelas coisas inesquecíveis e que não poderão ser trocadas por nada. mas por vezes leio certas coisas que me deixam o desejo de certas pessoas serem mães de um tamagochi. Assim não chateavam ninguém cá vai então a explicação:.

O crime bárbaro aconteceu numa fazenda no estado de Missouri, nos Estados Unidos.

Condenada à morte pela mãe

Segundo informou o jornal "Washington Post", Savannah foi adoptada por uma família do Estado Minnesotta, nos Estados Unidos, quando ainda era uma bebé. Porém, seus pais adoptivos acabaram por se divorciar e no final de 2016, a relação da jovem com a sua mãe adoptiva deteriorou-se.

Savannah não aceitou o novo relacionamento da mãe e passou a ter sérios problemas de convivência com o seu padrasto. De acordo com a polícia de Ozark, que cuidou das investigações deste caso, a mãe adoptiva concordou com a filha que pediu para voltar a viver com Rebecca, a mulher que foi a sua mãe biológica.

As autoridades locais afirmaram que, depois que passou a viver com Rebecca, a adolescente passou por várias sessões de tortura.

Numa delas, a jovem era obrigada por sua mãe e pelo seu namorado a rastejar na lama com os porcos e a tratar os ferimentos resultantes desta actividade com sal e álcool. Depois de sofrer castigos bárbaros por vários meses, Savannah foi queimada viva em uma fogueira.

A polícia começou a desconfiar das acções da mãe biológica em meados do mês de Julho. Nesta ocasião, aconteceu um incêndio na fazenda onde Savannah foi assassinada.

Na época, a mulher informou a polícia que a filha havia se magoado, mas que estava bem e não precisava de nenhum atendimento e que, inclusive, já estava dormindo e não autorizou que os investigadores entrassem na sua casa.

No dia seguinte, Rebecca foi até à esquadra do condado de Ozark, onde informou a polícia que sua filha havia fugido de casa no meio da noite, levando apenas um travesseiro e um cobertor.

Os policias não acreditaram na história contada pela mulher e pressionaram-na até que ela e seu namorado confessaram todos os crimes cometidos, inclusive o assassinato cruel da adolescente.

Durante uma revista minuciosa à fazenda onde moravam, os restos mortais da filha foram então encontrados.

O casal foi preso na passada segunda-feira e continuarão detidos até o julgamento.

Será que esta gente tem um pingo de juízo? O problema é que parece que não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

Paparoca em tempo de férias

por jl, em 30.08.17

dieta.png

Olá.

Agora que estamos em tempo de férias uma das coisas que muita gente faz é optar por ir comer fora. Mas se quer er um pouco mais saudável não se esqueça de seguir os seguintes conselhos. Ou não:

6 maneiras de perder peso sem fazer dieta

Com a quantidade de coisas que as pessoas têm para fazer na vida, fazer uma dieta rigorosa pode ser complicado. E as ‘desculpas’ (pelo menos 37 já eu descobri) para quebrar este regime alimentar estão em todo o lado. Ou se está sempre a quebrar a dieta porque há almoços com colegas ou família, ao longo da semana, ou então porque, depois de um longo dia de trabalho, a última coisa que se quer fazer quando se chega a casa é cozinhar, e acaba por se comprar alguma coisa já feita no supermercado ou uma francesinha acaba no nosso papo.

O site WebMD fez uma lista de várias dicas para perder peso, sem ter de estar constantemente preocupado com o que deve ou não comer.

  1. Cronometre as suas refeições

Comer depressa é uma má ideia para quem quer perder peso. Comece a comer mais devagar e cronometre a sua refeição para 20 minutos. Comer calmamente não só faz com que aprecie mais aquilo que está a comer, como também ‘activa’ hormonas no seu corpo que fazem com que se sinta mais saciado. Estou de pleno acordo e até sou capaz de mandar este artigo para a minha empresa para ver se eles estão de acordo.

  1. Durma mais

Um investigador da University of Michigan concluiu que se consumir cerca de 2.500 calorias por dia, e se dormir mais uma hora à noite do que o habitual, pode perder à volta de seis quilogramas num ano. Dormir mais horas também diminui a probabilidade de ir comer qualquer coisa durante a noite. Aqui estão belas palavras que o meu vizinho da frente decerto nunca as leu, porque a casa dele tem mais obras que o nosso país em tempo de eleições.

Mas há outra vantagem. Estudos comprovaram que dormir menos de sete horas, por dia, faz com que tenha mais fome ao longo do dia. pois, se eu pudesse!!

  1. Opte por uma pizza vegetariana

Para muitas pessoas, deixar de comer pizza pode ser uma tortura. Nestes casos, opte por uma pizza com vegetais, em vez de uma que contenha carne, e assim corta cerca de 100 calorias na sua refeição. Boa ideia, em vez de carne vou optar por chouriço, bacon e frango!!

Outra dica: se conseguir, escolha antes um queijo light e opte por uma pizza com base fina. Quando mandar vir uma familiar lá para casa não me vou esquecer deste conselho.

  1. Faça uma pausa durante a refeição

Para algumas pessoas, é natural pousar os talheres por alguns minutos, seja para conversarem com a pessoa com quem estão a comer, seja para respirar.

Algo que é uma óptima ideia para quem quer perder peso. Faça os possíveis para parar um pouco, enquanto está a comer, e aprecie o que está a sua volta ou até mesmo a pessoa com quem está. É uma óptima maneira de perceber se está cheio, ou se precisa de comer mais um pouco, e as pessoas não costumam dar conta deste ‘sinal’ por não pararem de comer. E se este sinal não aparecer?

  1. Coma em casa

Sempre que possível, tente comer em casa. O ideal será fazer cinco refeições em casa. É uma maneira de controlar aquilo que come e o que cozinha. Vai ver que é mais fácil do que imagina. Mas a maioria de nós opta mesmo por isto, mas em vez de ser por um motivo de saúde é mesmo pela parte económica.

  1. Se comer fora, faça-o de uma maneira inteligente

Por vezes é complicado estar sempre a comer em casa. E a verdade é que não deve evitar estar com os seus amigos, só porque tem de controlar o seu peso. Aqui ficam alguns truques para comer de maneira saudável, e para não ganhar peso, quando vai a restaurantes:

- Divida a entrada com um amigo. É mesmo melhor porque ao preço que os restaurantes praticam pelas entradas a melhor coisa é que cada um coma duas azeitonas e um quarto de rissol.

- Peça uma entrada acompanhada de salada. Se puder levo umas tostas de casa que assim sempre sai mais barato.

- Opte por comer uma entrada como prato principal. E para beber água. Se vir que uma garrafa de 33cl custa 2€, vá disfarçadamente à casa de banho e olhe beba da torneira.

- Dê uma vista de olhos na comida destinada para as crianças. Se os preços forem iguais ao dos adultos opte por levar mais um saco de tostas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Fominha e porradinha

por jl, em 29.08.17

soco.jpgOlá.

Hoje venho aqui falar de uma linda história de Amor e também de boxe. Cá vai então:

Espanca namorada em público após pedido de casamento

Homem esmurra companheira depois de esta responder com um "não".

Andrei Pavel surpreendeu a namorada, Andrea Nagy no emprego, no Reino Unido, com um ramo de flores. Ajoelhou-se e pediu-a em casamento. Até aqui só faltava uns violinos tal era o Amor que andava no ar.

A jovem respondeu "não" e prontamente foi espancada em público. Os dois namoravam há três meses e já tinham chegado a viver juntos, mas as constantes discussões levaram Andrea a sair da casa do namorado. Determinado a melhorar a relação, Andrei decidiu pedir a jovem em casamento, mas acabou por a esmurrar na cara, deixando-a "com ferimentos consideráveis", segundo as autoridades. Já nem se pode ser romântico! Em 1753 o lema do marido para a mulher era fominha e porrada. Em 2017 pelos vistos já não é!

O homem foi levado a tribunal e deu-se como culpado do crime de agressão.

Foi condenado a 12 meses de trabalho comunitário e ao pagamento de uma indemnização de cerca de 500 euros à vítima. Está ainda proibido de contactar a agora ex-namorada durante pelo menos um ano. 500 euros de indeminização?! A justiça de Portugal está a fazer escola lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

Pág. 1/13



A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Comentários recentes

  • Terminatora

    Ahahaha muito bom!

  • ipgines

    adorei.japão e japoneses são realmente um mundo ne...

  • Terminatora

    Eu tenho dito que com a idade, as "banhas" começam...

  • Aninhas

    Infelizmente, é a situaçao da vida!:-( .

  • Aninhas

    Em PORTUGAL perde-se o emprego, pr ficar em casa a...


Mensagens




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D