Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Divisão de bronzeados

por jl, em 24.08.17

praia-bestoftrieste.jpgOlá.

Hoje li um artigo que me deixou meio perplexo não tanto pelo seu conteúdo, mas pelo país que o artigo tem origem. Cá vai:

Praia na Europa separa homens e mulheres com um muro

Em pleno 2017, há uma praia que separa homens e mulheres através de um muro. Num continente que se diz liberal, perdura uma regra «antiquada» e «ultrapassada», que obriga a dividir as pessoas por géneros.

Estas praias segregadoras não são uma novidade, mas estão habitualmente associadas a países como a Arábia Saudita, o Irão ou Israel (que tem praias exclusivas para quem professa a religião judaica).

Mas onde fica escondida esta praia ao estilo «apartheid»?

Encontra-se no extremo nordeste da Itália, na fronteira com a Eslovénia. Em Trieste, mais precisamente. A praia banhada pelo Adriático chama-se «Bagni Comunali Lanterna» ou «Pedocin»- são usados ambos os nomes -, e tem um muro branco de três metros que separa mulheres e crianças com menos de 12 anos, dos homens.

Ao contrário do que se poderia esperar, a verdade é que todos os dias, durante o verão, são muitas as mulheres de todas as idades que vão até este areal de 250 metros de extensão. Elas são bem mais do que eles, mas cerca de três mil banhistas fazem questão de se bronzear na «Lanterna», desde habitantes locais a rabinos ortodoxos, camionistas turcos (que pormenor, camionistas e turcos!!!) e padres católicos que vivem nas redondezas. A separação existe tanto na areia como no mar. Aliás, para entrar na zona contrária é necessária uma permissão especial. A entrada na praia custa 1 euro, mas pode pagar mensalmente ou por estação balnear.

Afinal, por que razão gostam tanto as mulheres desta praia? A maioria afirma que assim pode ter privacidade. «Não há homens à volta delas, podem ter uns quilos a mais ou não ter a depilação feita», explicou Micol Brusaferro, jornalista que escreveu dois livros sobre a «Lanterna». Para os homens, «este lugar permite terem um descanso das mulheres», escreveu Giancarlo, um frequentador do local, no site TripAdvisor. Esta parte compreendo, mas não é o meu caso Maria!

Esta praia foi inaugurada oficialmente em 1903, há 114 anos, quando Trieste estava sob o domínio do Império Austro-Húngaro – a cidade era o seu principal acesso ao mar. A praia servia para evitarem «actos contrários à decência».

No século XXI existir um caso destes na Europa sinceramente deixou-me meio parvo, mas se as pessoas gostam assim, que dizer então?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00



A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Comentários recentes

  • Aninhas

    Está tudo mto explicado e mto bom de entender! Iss...

  • Nuno

    Obrigado pela partilha

  • Kikas

    Boa tarde.Gostei muito do artigo. O Reader´s Diges...

  • vibradores

    No final de Alcabo é o que toca a cada 28 dias.

  • Maribel Maia

    Ou será que os ladrões são um grupo de miúdos gulo...


Mensagens




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D