Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Natal = Carnaval. É só rir.

por jl, em 01.02.17

natal2016.jpgBoas.

Agora que se está a chegar ao Carnaval achei por bem falar do Natal. E acima de tudo porque agora foram reveladas as despesas que as câmaras tiveram neste período. Cá vão alguns exemplos:

 

Cidade do Porto

Em primeiro lugar, o circo da praxe. A cidade contratou o circo Mundial Mariani por 6.346 euros. Também para os mais novos, a autarquia comprou bilhetes para o espectáculo “A Bela e o Monstro” para todos os alunos do ensino básico das escolas públicas e gastou com isso 43.290 euros. Para os aposentados dos Serviços Sociais da Administração Pública a autarquia organizou um almoço que custou 22.585 euros. Os outros não comem nesta altura!

Com a instalação de iluminações decorativas e infra-estruturas eléctricas de suporte, o Porto gastou 87.646 euros. Quanto aos cabazes de Natal, o único que aparece discriminado é o que a autarquia deu à empresa de águas do município e que custou 24.200 euros. Nada como dar umas comidinhas para acompanhar as águas! Foram, então, 192.297 euros.

Cidade de Lisboa

A primeira conta refere-se à compra de bilhetes para “Um Conto de Natal”, que a câmara de Lisboa adquiriu por 8.130 euros para o INATEL. Seguem-se os custos com as iluminações: no Lumiar gastaram-se 25 mil euros, em São Vicente a iluminação custou 23.438 euros, para a Penha de França foram 18.600, para o Parque das Nações 16.260 mil e para as Avenidas Novas 31.150. Mas isto é apenas uma parte da factura das iluminações, já que Fernando Medina admitiu que os gastos com a iluminação natalícia na cidade rondava os 700 mil euros, mais do dobro do valor orçamentado no ano passado. Depois, vêm os jantares. A conta da Navegação Aérea de Portugal, foi de 24 mil euros. Já o jantar dos trabalhadores das Avenidas Novas ficou-se pela metade, 10.275. O catering para as festas dos Serviços Sociais da Administração Pública custou 40.543 euros e o jantar do Instituto de Medicina Molecular ficou-se pelos 5.070 euros. Os trabalhadores da freguesia de Santa Maria Maior gastaram, num jantar, 8.200 euros e, em catering para almoços, 14.740.

Os cabazes também pesam nas contas da festa. O da freguesia de Benfica custou à câmara 9.120 euros, o de Santa Maria Maior ascendeu aos 12.787 euros, o da Misericórdia foram 16.467 euros e os oferecidos às Avenidas Novas 14.670. O da EPAL – Empresa Portuguesa de Águas Livres foi o mais caro: custou 60 mil euros — e, pela descrição, foi tudo gasto em bacalhau. Quem pagou? O otário, ou seja nós todos.

O tradicional Circo de Natal custou à autarquia 14.317 euros, mas também houve concertos de música clássica, teatro e muitos gastos com a logística de organizar tudo isto. A animação de Natal na Freguesia de São Domingos de Benfica custou 11 mil euros, apesar de o custo da organização e agenciamento de artistas aparecer discriminado separadamente por 53.150 euros. A câmara gastou ainda dois mil euros com a narração do projecto de teatro pedagógico “Música nas Férias de Natal” e 2.500 euros com a direcção musical da mesma.

Mas a anedota continua.

Em agências de viagens e transportes para esta época, a EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural gastou 6.060 euros e mais 7.500 por uma interpretação das sinfonias de Mozart no São Luiz.

A freguesia de Santa Maria Maior aparece como a única que distribuiu cartões-ofertas nesta quadra — gastou 23.250 euros com cartões para os colaboradores da freguesia e mais seis mil com cartões para famílias carenciadas. 23 mil para os funcionários e quem precisa 6 mil. Isto sim, isto é que se chama dividir. Para os filhos dos trabalhadores da freguesia seguiram ainda brinquedos no valor de 16.284 euros. E agora para uma coisa completamente diferente: o “Guia para um Natal Saudável”, em formato de infografia digital, custou 3.400 euros e a Casa Pia apresentou à câmara uma conta de mil euros em frutos secos.

Contas feitas, quase meio milhão de euros — 489.835 euros.

Matosinhos

O almoço de Natal dos aposentados dos Serviços Sociais da Administração Pública da cidade custou 4.300 euros e o dos aposentados da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo 9.513. Além da festa, os trabalhadores da APDL receberam 25.800 euros em cartões Dá Natal. Ainda bem que os municípios estão cheios de dinheiro.

Os custos com o aluguer de tendas para a Aldeia de Natal custou 5.766 euros e a iluminação, sempre o recibo maior, fixou-se nos 74.950 euros, um dos valores mais altos do país. Matosinhos gastou, no total, 120.329 euros com a quadra natalícia. No ano anterior, a conta tinha-se fixado nos 76.274 euros.

E como foram estes locais, a lista continua por esse país fora num total de muitos milhões de euros. Agora que escrevi estas linhas, vou pegar na minha pá e sachola e vou ver onde estão os diamantes no meu quintal. Acho que é o que está a acontecer neste país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30


1 comentário

De sandra2017sandra a 02.02.2017 às 13:11

Mais vale rir do que chorar!!! Dias felizes e sorridentes é o que nós queremos!!!

Comentar post



A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Comentários recentes

  • Nuno

    Obrigado pela partilha

  • Kikas

    Boa tarde.Gostei muito do artigo. O Reader´s Diges...

  • vibradores

    No final de Alcabo é o que toca a cada 28 dias.

  • Maribel Maia

    Ou será que os ladrões são um grupo de miúdos gulo...

  • Aninhas

    28 filhos? Valha-me santo cristo! E todos da mesma...


Mensagens




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D