Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sem palavras para descrever o que sinto

por jl, em 07.07.17

img_757x498$2017_07_01_16_47_44_643766.jpg

Mãe atira filho para fogueira e segura-o até este morrer

Crime hediondo aconteceu no estado de Goiás, no Brasil.

Alexandre Coutrim Rodrigues, um menino brasileiro de apenas dois anos e 10 meses de idade, teve uma morte horrível, ao ser empurrado para o fogo pela própria mãe.

O bebé foi atirado vivo para uma fogueira de lixo e preso lá pela mãe, Simone Coutrim Moreira, de 29 anos, até ela se certificar de que o filho estava morto. O cruel crime aconteceu no mês passado no quintal da casa da família, na zona rural da cidade de Piranhas, região oeste do estado brasileiro de Goiás, mas só agora  a polícia divulgou a confissão da acusada. Até à confissão, Simone mantinha a versão de que tudo tinha sido um trágico acidente, e que, num descuido dela ao voltar para dentro da casa depois de ter ateado fogo no quintal a uma fogueira com lixo e folhas, o bebé tinha então caído nas chamas.

Logo de início os agentes da esquadra de Piranhas desconfiaram da história, pois, mesmo que tivesse caído na fogueira a arder, um menino de quase três anos teria conseguido sair das labaredas ou, ao menos, gritado o suficiente para a mãe ouvir e acudir.

Submetida a vários interrogatórios, a mulher manteve a versão inicial vários dias mas agora acabou por não resistir à pressão e confessou o horrível crime. De acordo com o jornal "Tribuna Piranhense", que teve acesso ao registo áudio confissão de Simone à polícia, ela conta que andava muito nervosa com a vida que levava, vivendo isolada numa propriedade rural e sem ninguém que a ajudasse a cuidar da casa e dos três filhos pequenos. Realmente esta explicação é fantástica!

No dia do referido acto, de acordo com o que contou na esquadra, ela estava mais nervosa que o normal e cometeu o crime brutal por não suportar mais o choro de Alexandre, que nesse dia também estava mais inquieto do que de costume e não parava de andar atrás dela a chorar. Quando o marido, Edimário Luciano, saiu, ela empilhou no quintal um monte de lixo, folhas secas e pequenos ramos de árvores e ateou-lhes fogo. Depois, agarrou o pequeno Alexandre, regou-o com álcool e atirou-o para a fogueira. Dando detalhes que estarreceram até os agentes, Simone contou que o bebé, como é natural, tentou sair das chamas e se debateu, mas que ela o segurou em cima do fogo prendendo-o contra as labaredas com um pedaço de madeira até que o bebé deixou de se debater. Após a confissão, Simone foi incriminada pelo assassínio de Alexandre e foi encaminhada para uma prisão da região.

Depois de ler isto gostava de saber quem não concorda em que esta senhora tivesse no mínimo o mesmo tratamento? E mesmo assim para mim seria sempre pouco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30



A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Comentários recentes

  • Aninhas

    Em PORTUGAL perde-se o emprego, pr ficar em casa a...

  • Sérgio Ambrósio

    Infelizmente, a RTP, SIC e TVI têm programações de...

  • Aninhas

    :-):-). Esqueceu-se da dor da P. D. I. Gostei de l...

  • Anónimo

    Nem vale a pena comentar... Para Besta só lhe falt...

  • Maribel Maia

    Considero que todos os animais devem ser bem trata...


Mensagens




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D