Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

24
Mai20

Pó de talco. Sim ou não?

jl

JeJ.pngBoas.

Eu sei que com esta coisa do Covid basicamente o resto das coisas está a cair no rol do esquecimento, mas por vezes leio certas coisas que me deixam meio embasbacado. Já uns tempos escrevi aqui que devido ao uso de pó de talco da Johnson & Johnson a empresa já havia sido condenada a pagar mais de quatro mil milhões de euros em Julho de 2018 e cerca de 25 milhões em Março de 2019 a consumidores que a acusaram de vender um produto que lhes causou cancro.

Mas se isso não acho que seja nada de anormal e inteiramente justo, o que realmente acho muito estranho (isto no mínimo) é que este produto, que já foi considerado maléfico quer nos Estados Unidos, quer no Canadá, continuará a ser vendido na Europa, incluindo no nosso país.

Mas o que achei «piada» foi que a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) disse que não tinha conhecimento de qualquer efeito indesejável ocorrido com a utilização de pó de talco! Eu sinceramente não percebo nada de fiscalização destes produtos, mas ao ver o que aconteceu na América, isto não serviria para alertar as autoridades europeias?

Não digo que se deva proibir por completo este produto, mas acho que as embalagens deveriam ter um aviso, como aquele que se aplica ao tabaco, lançando um alerta. E digo isto, porque este é um produto que na sua maioria é aplicado às nossas crianças.

23
Mai20

Futebol pós-Covid

jl

futebol pos covid.jpgOlá.

Esta semana estava a ver um debate sobre o regresso do futebol.

- A maioria das pessoas falavam se fazia algum sentido o futebol estar de regresso.

- Se alguns estádios estarem de fora, seria justo.

- Se esse regresso não seria boa ideia estar associado a transmissão dos jogos em canal aberto.

- Depois temos aqueles temas que em Portugal tem valor como as viagens dos árbitros com as equipas.

- Em relação ao regresso do futebol sinceramente até estou de acordo. Se tudo está a voltar ao normal mesmo de uma forma condicionada, então porque não o futebol regressar mesmo com todos os cuidados?

- No que diz respeito a certos estádios não estarem no calendário, depois de ouvir falar que só cerca de seis estádios estariam em ordem, depois de muitas voltas e reviravoltas como só os tugas sabem fazer, poucos estádios é que ficarão de fora. E não seria de aproveitar este momento para que se criassem condições para que todos os estádios tivessem boas condições. Se tudo isto fosse bem organizado porque não criar um fundo (5 ou dez por cento dos direitos televisivos não seria mal pensado) para que os clubes tivessem condições nos seus estádios. Os clubes maiores muita das vezes só pensam na sua barriga, mas se não fossem os clubes ditos mais pequenos a competição desportiva não existiria.

- E depois temos o tema das transmissões televisivas. Muita gente diz que devido a tudo isto, as transmissões deveriam ser em canal aberto. Acho que as pessoas que poderão reclamar mais, são aquelas que depois de comprarem lugar anual, essas vão ficar prejudicadas. Mas essas pagaram aos clubes e deverão ser essas entidades a ressarcir de algum modo esses adeptos. Depois temos todos os outros que dizem que se deveria ver os jogos. Por mim até concordo, mas quem pagaria os direitos que a NOS; a Altice ou a Sportv pagaram? O Estado? Se sim, não acham que os milhões que isso custaria não deveriam ser empregues em algo mais útil?

- Relativamente às viagens das equipas com os árbitros temos que ter confiança em todos os intervenientes, porque para além das equipas, temos os delegados e temos jornalistas e em caso de alguém for incorrecto deverão ser penalizados fortemente.

Sei que sou um sonhador em pensar nestas coisas, mas estes meses deu para ver que as pessoas afinal conseguem viver e sobreviver sem o mundo da bola.

22
Mai20

Onde anda a Primavera e o Outono?

jl

tempo diario.jpgBoas.

Que estejam bem aí desse lado.

Hoje ao ver as previsões do tempo para os próximos dias aqui na zona do Porto, comecei a pensar nos meus tempos de infância. Quando andava na escola, lembro-me de ter aprendido que existiam quatro estações, que eram a Primavera; Verão; Outono e Inverno. Quando ouço certas pessoas como o Sr. Trump ou o Sr. Bolsonaro a dizer que tudo isto é lirismo (alterações climáticas) e que não passa de uma falácia, fico deveras pensativo. Isto, porque depois de uns dias (muito longos já que duraram meses) de Inverno, agora parece que se vai passar directamente para o Verão.

Se por um lado isto até é positivo, por outro, depois de tantos dias a ouvir falar do Covid vamos ter que lidar com outro vírus que serão os incêndios. E se nos outros anos não foi fácil com medidas ditas preventivas como a limpeza dos matos e das florestas, então este ano vamos ter que rezar para todos os santinhos para que tudo corra bem. Vamos ver o que futuro nos vai trazer.

 

21
Mai20

Radares Maio 2020

jl

psp-radares.jpgBoas.

Agora que isto do Covid começou a abrandar um pouco, é tempo da P.S.P. voltar às estradas para fiscalizar os condutores. Se é verdade que até aqui se via que o movimento rodoviário tinha caído bastante, por outro lado também deu para ver que o civismo das pessoas melhorou um pouco.

O meu receio é que com o voltar da normalidade na movimentação da nossa sociedade, essa vertente volte ao antigo, mas como a esperança é como as sogras (a última a morrer-hi hi hi) temos que esperar.

Mas voltando ao tema dos carros, deixo aqui a localização e as horas em que os radares da PSP estarão em acção, para o que resta do mês de Maio, aqui no distrito do Porto.

Cá vai então:

Dia 22 - 08H00 Rua Gomes Amorim – Póvoa de varzim

Dia 26 - 08H00 Estrada Municipal Nº556 – Santo Tirso

Dia 27 - 14H00 Av. Eng.º Duarte Pacheco – Baguim do Monte

Dia 29 - 14H00 Estrada da Circunvalaçã0 – 10036 – Matosinhos

Acima de tudo seja cauteloso e que estes meses de confinamento tenham servido para se ver que a Vida (a nossa e dos outros) é extremamente preciosa para ser desperdiçada.

20
Mai20

Sinal de alerta

jl

euro melanoma.jpgBoas.

Como sabemos, hoje em dia quando se fala em saúde basicamente só se fala de Covid, mas como se sabe, ou como se devia saber existem milhentos de problemas relacionados com a nossa saúde, mas como hoje em dia o tema é quase só um, por vezes estamos a esquecer de tudo o resto.

E para que não nos esqueçamos disto no passado dia 11 foi celebrado o dia do Euromelanoma. E ou sou eu que ando desatento, ou nem ouvi falar desta questão

Em português corrente é mais simples falar de sinais da pele.

Mas afinal o que são esses sinais de pele e como os devemos avaliar?

Esses sinais ao contrário do que se possa pensar são muito comuns. O que muitas vezes nos chama a atenção é que os mesmos são inestéticos, mas é sobretudo a sua possível evolução para um melanoma e isso sim, deve causar mais preocupação. Estes sinais muito raramente estão presentes quando um bebé nasce, mas vão aparecendo ao longo da infância, na puberdade e atinge um número máximo na terceira fase da vida. A puberdade é um período onde ocorre um desenvolvimento relativamente rápido dos nevos.

Os sinais de pele são tumores benignos da pele. E existem vários tipos de sinais e com diferentes aspetos. Os sinais mais comuns são arredondados, de 2 a 6 mm de tamanho, planos ou elevados, simétricos, de cor castanha (alguns podem ser da cor da pele) e de limites bem definidos. Os sinais podem aparecer em qualquer área da pele, desde o couro cabeludo às plantas dos pés, inclusive na área genital e anal. Há também sinais nas mucosas como lábios e, mais raramente, nas unhas. Nestas localizações a observação por um médico é recomendável para evitar complicações futuras.

Alguns sinais podem evoluir para um tipo de cancro de pele, que é o melanoma.

E sempre que se veja que um dos nossos sinais tem uma alteração de cor, de tamanho ou nos provoca um ardor ou uma comichão, então deve visitar o seu médico.

Muitas das vezes, o facilitismo pode ter graves consequências no futuro.

Ninguém sabe o que o Futuro nos reserva, mas muitas das vezes o mesmo é influenciado por aquilo que fizemos no Passado e o que observamos no Presente.

19
Mai20

Que eu esteja errado

jl

pensador.jpgBoas.

Que estejam todos bem aí desse lado. Hoje lembrei-me de escrever aqui sobre o impacto que o Covid está a provocar na nossa maneira de ser. E lembrei-me disto porque ao ver as imagens que começam a chegar das praias é algo que faz pensar. E nem falo de países como os Estados Unidos em que apesar de contar com mais de 90000 mortos parece que não se passa nada e só se continua a ouvir das guerrinhas entre o Obama e o Trump com os chineses ao barulho, mas falo aqui do nosso cantinho. Se por um lado os nossos governantes dizem que devemos ter calma, a verdade é que muitos Tugas acham que a calma se encontra em pleno areal com uma toalhinha. Mas a verdade é que muita gente deve ficar confundida com os nossos políticos quando dizem que apesar de tudo isto devemos ir fazer compras para depressa se voltar à normalidade.

Apesar de muitas noticias nos dizerem que tudo está a voltar ao normal, a verdade é que o normal que vai acontecer a partir daqui, esse normal será muito diferente daquilo que era conhecido até aqui.

Muitas situações de pobreza e de aperto até são do nosso conhecimento, mas depois haverá aqueles encapotados e em que a vergonha impera. E esses aí são muito preocupantes, até porque a situação mais ou menos confortável que se vivia até agora, irá desaparecer para muita gente.

E se muitos de nós até estamos e estaremos sensibilizados com esta situação, a verdade é que a sociedade é cada vez mais efémera e pensando muitas vezes só no seu umbigo, é de prever que tudo isto se vá tornar um flagelo para muita gente.

Oxalá eu esteja enganado.

18
Mai20

Amanhã será sempre melhor

jl

idosos.jpgBoas.

Que estejam todos bem aí desse lado. E é já hoje que as visitas dos lares vão recomeçar. E apesar de existir restrições como o tempo que se pode estar junto do idoso e as vezes em que podemos estar junto do mesmo, hoje é daquelas datas muito ansiadas por todos aqueles que têm algum familiar num lar. E eu sou um dos muitos que me encontro nessa situação.

Se uma pessoa quer dar um beijo ou um abraço a quem já muito fez por nós, existe sempre aquele receio de sermos os hóspedes de algo que pode ser fatal para eles. E mesmo que a vontade de abraçar e de beijar o nosso ente querido seja muito forte, temos que ver o que é melhor para eles. Uma pessoa sabe que um lar por muitas condições  que possa oferecer não é, nem nunca poderá ser igual à nossa casa, mas temos que saber lidar com isso.

E se para nós enquanto visitantes não é fácil, então para os utentes muito mais complicado se torna. Porque a juntar-se aos problemas médicos que muitos deles sofrem, a parte cognitiva pode fazer com que muitos agravem a já muitas vezes débil situação deles.

Acima de tudo temos que manter o afecto vivo destas pessoas. O delas e o nosso. Até porque se as coisas agora começam a não ser tão tenebrosas no que diz respeito a notícias sobre o Covid, a verdade é que isto não irá desaparecer assim tão rapidamente.

17
Mai20

Sacrifícios em vão?

jl

futuro.jpgBoas.

Que esteja tudo bem aí desse lado. agora que o Covid agora está a abrandar. Já se começam a tomar medidas de desconfinamento. E por muitas normas que o nosso Governo comece a decretar, parece que a maioria das pessoas está mesmo ansioso em ir para a praia. E se é verdade que isso importa, a verdade é que existem inúmeras coisas que devemos ter atenção.

E uma dessas coisas é a validade dos nossos documentos. Se numa primeira altura, a validade foi estendida até 30 de Junho, a verdade é que o Governo do Toni veio agora referir que os mesmos irão continuar válidos até 30 de Outubro.

E se isto até foi uma medida bem aceite por todos, a verdade é que agora virão outras coisas bem mais complicadas já que irão dar origem a diferentes discussões.

E para além das praias, vamos ver discussões em relação às visitas dos utentes que estão nos lares de idosos e respectivas condições que os mesmos vivem, a reabertura das creches e em que os miúdos estarão quase presos e condicionados em relação ao que são (crianças), às aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e depois a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios, cerimónias religiosas e por aí fora.o que todos nós temos que nos mentalizar é que a partir de agora, a realidade será outra e os facilitismos poderão ter consequências no futuro de todos. E já que agora se está a ter um sucesso elevado não podemos ser parvos e deitar tudo ao lixo.

16
Mai20

Novos tempos

jl

exercicio zorro.jpgBoas.

Agora que a máscara está a ser igual à Toyota (ou seja, veio para ficar) o hábito de andar com ela começa a tomar conta de todos nós. E se a verdade é que as pessoas até se vão habituando, é certo que o tempo mais ou menos fresco tem ajudado e estou a falar de coisas normais. Isto é passear, andar a trabalhar (sem um esforço físico intenso) ou aquelas voltas normais.

Mas como frequentador do ginásio começo a colocar a questão de ser perigoso fazer exercício físico com máscara.

Segundo as últimas coisas que li, a Organização Mundial de Saúde (OMS) indica que não será necessário treinar com uma máscara e que os ginásios deverão apenas reforçar os seus protocolos de limpeza e oferecer gel desinfectante aos clientes.

E levanto esta questão porque li numa peça que dois jovens chineses tinham falecido no passado mês na prática desportiva. Isto aconteceu com uma semana de diferença e os jovens (com 14 anos) morreram durante uma aula de ginástica enquanto utilizavam máscara.

Todos sabemos que a máscara funciona como uma barreira que impede a projecção de gotículas. Mas além de condicionar o ar que respiramos, também perturba o fluxo do mesmo que entra e sai dos pulmões pelas vias aéreas superiores, situação que depende do tipo de máscara utilizada e da intensidade do esforço.

Segundo o que tenho lido, doentes com baixa reserva fisiológica (como patologias respiratória ou cardiovascular) devem estar atentos a sinais de alarme durante o exercício físico com máscara tais como fadiga precoce ou tonturas.

A humidade da máscara pode levar à perda da normal capacidade de filtração das gotículas emitidas pelo portador da máscara. Mas também temos que nos lembrar que o facto de utilizar máscara não substitui o distanciamento social superior a dois metros, que, tal como a máscara, deve ser mantido durante a prática de exercício físico em espaços públicos.

Temos é que nos lembrar que a única alternativa segura à máscara é fazer exercício físico em casa ou em isolamento, de forma a não colocar em risco outros indivíduos nem a si próprio.

E temos que nos lembrar que mesmo que haja novas alterações e adaptações, o tempo que se vai viver daqui para a frente vai ser sempre diferente do que aquela realidade que acontecia anteriormente e como tal não adianta «chorar» e dizer que estava tudo mal. Temos é que nos adaptar a este novo tempo.

15
Mai20

Já não há paciência

jl

futebol.jpgBoas.

Depois de um mês e meio em que se falou de quase tudo menos de futebol, a verdade é que este tema parece que está voltar a ser tema de destaque. Ou porque de repente se viu os presidentes dos três grandes quase como amigos (e isto parecia ser mesmo um sonho) em reuniões com o Governo, ou como se viu nestes dias com as polémicas do costume.

E sinceramente já não há pachorra para este tipo de comportamentos. E aqui nem culpo muito os responsáveis dos clubes (se bem que o nome nem sempre condiz muito), mas sim os dirigentes da Federação e da Liga que parece que têm medo dos clubes grandes.

Em primeiro lugar tem que se ver que o está em primeiro lugar, é a saúde dos intervenientes e só depois é que está o jogo propriamente dito.

Depois já sabemos que a discussão vai ser em que canal se vai poder ver os jogos. Muitas pessoas vão querer ver isto em canal aberto (como é lógico), mas tenho duvidas que a operadora que gastou milhões em direitos televisivos vá nessa cantiga.

Mas espero bem é que esses cavalheiros (já que as senhoras ainda andam um pouco fugidas deste ambiente) vejam que afinal se consegue viver sem futebol. É sempre bom existir, mas não é tudo na vida.

Acime de tudo, o que acho bastante complicado é os elementos que jogam em equipas mais pequenas, bem como nas divisões inferiores. Nem todos os elementos ganham milhares de euros por mês, nem andam de Mercedes. Não nos podemos esquecer de todos os componentes de uma equipa de futebol, que vão desde os jogadores; aos elementos da equipa técnica; à equipa médica; aos roupeiros; aos elementos administrativos; a quem trata da rela e por aí fora.

São milhares de pessoas neste país e não só o Porto, Benfica ou Sporting!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D