Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

05
Dez16

Portugal está muito avançado

jl

moedas.jpgBoas.

Hoje li uma peça que nos chegou da Coreia do Sul e que sinceramente não me surpreendeu assim tanto quanto isso. Cá vai ela:

Coreia do Sul vai acabar com moedas até 2020

A Coreia do Sul vai redobrar os esforços para criar no país uma “sociedade sem dinheiro físico”. A eliminação das notas de papel ficará para mais tarde mas o objectivo do banco central é acabar com as moedas metálicas até 2020. Algumas moedas custam mais a produzir do que o seu próprio valor. Os sul-coreanos estão a ser incentivados a entregar todas as suas moedas e depositá-las a troco de carregamentos dos cartões T Money, uns cartões que são usados sobretudo para pagar bilhetes nos transportes públicos mas servem, também, para fazer compras em lojas de conveniência, explica o Financial Times.

A Coreia do Sul é um dos países mais avançados nas novas tecnologias e os cartões de débito e crédito estão bem enraizados — cada sul-coreano tem, em média, 1,9 cartões bancários. As compras através da Internet também estão bem implantadas e as gerações mais novas estão a usar, sobretudo, pagamentos digitais através dos smartphones. Segundo o Banco da Coreia, só uma em cada cinco transações financeiras envolvem dinheiro físico.

Os países escandinavos, como a Suécia e a Noruega, são, segundo o Financial Times, os mais avançados em todo o mundo no caminho até uma sociedade sem dinheiro físico.

Sinceramente não estou muito de acordo, acho que neste aspecto Portugal está bem mais à frente que estes países. Eu por exemplo, chego ao dia 20 e para além das moedas, as minhas notas parece que foram tocadas pelo Luís de Matos pois desaparecem todas.

05
Dez16

Palmas para o árbitro

jl

Olá.

Hoje enquanto estava a ver uma peça que a origem era do Campeonato Holandês de Futebol. Cá vai ele:

 

Tira camisola pela Chapecoense e o árbitro que fez? «Fingi que não vi»

O mundo do futebol prestou esta semana homenagem à tragédia que abalou o clube Chapecoense e foram vários os gestos de solidariedade levados a cabo por equipas ou jogadores em todo o Mundo.

Uma das que teve mais repercussão foi a do jogador Edinson Cavani que nos festejos de um golo pelo PSG despiu a camisola para exibir o símbolo do clube brasileiro, tendo sido admoestado com cartão amarelo por fazê-lo.

Os regulamentos indicam que os jogadores têm de ser penalizados por tirar a camisola, seja qual for o motivo, como tal o árbitro desse encontro decidiu cumprir escrupulosamente com o previsto.

No entanto, da Holanda surge agora um episódio em que o árbitro decidiu por e simplesmente ignorar a celebração em honra da Chape por parte de um jogador.

Nathan, do Vitesse, festejou um dos golos retirando a camisola e exibindo uma outra com o símbolo do clube brasileiro. Apesar de o juiz da partida ter visto, optou por não admoestar o atleta, explicando depois o motivo dessa decisão.

«Eu teria que dar o amarelo nessa circunstância, porque vi que ele tirou a camisola. Estava ciente de tudo o que tinha acontecido, que ele perdeu amigos nesse desastre terrível. Então fingi que nem vi. Decidi virar-me e ir para o outro lado do campo. Foi um acontecimento tão terrível, e é tão especial para o jogador que marca um golo e pode homenagear os amigos. Acho que essa foi a melhor decisão que eu pude tomar», explicou o árbitro, no final da partida.

Eu sei que a FIFA e a UEFA não vão elogiar o árbitro, mas este senhor merece um elogio por parte dos adeptos deste desporto. E de pé.

05
Dez16

Cérebro de caca

jl

img_757x498$2016_12_03_11_20_26_580510.jpg

Boas.

Que por esses lados esteja tudo bem. Hoje li uma peça que me deixou a pensar se certas pessoas terão certos órgãos no corpo humano no sítio certo. Em vez do cérebro devem ter outra coisa na cabeça porque dali só sai caca. Cá vai a peça:

Adultera tratamento de quimioterapia do próprio filho

Mulher de 41 anos está acusada de tentativa de homicídio.

Tiffany Alberts, de 41 anos, foi filmada pelas câmaras de segurança do Hospital Infantil de Riley, na cidade norte-americana de Indianápolis, a injectar fezes humanas na medicação intravenosa do seu filho de 15 anos, que sofre de leucemia. Os médicos desconfiaram do caso quando, durante os vários tratamentos do jovem, este desenvolvia várias infecções sem qualquer explicação. As análises feitas ao sangue mostravam organismos normalmente presentes em dejectos e isso lançou o alerta. Foram então instaladas câmaras de segurança no quarto do menor com cancro, que acabaram por revelar que era a mãe que, regularmente, adulterava o tratamento do filho. Inicialmente Tiffany Alberts defendeu-se dizendo que apenas injectava água (sendo que já isso não caberia na cabeça da maioria das pessoas)mas acabou por confessar às autoridades que adulterava o tratamento do filho com matéria fecal, na esperança que o jovem fosse para uma unidade hospitalar diferente. O filho de Tiffany, cuja identidade não foi revelada pelas autoridades, teve que passar 18 dias nos cuidados intensivos mas conseguiu reparar das infecções. No entanto, de acordo com o processo judicial, os médicos temem que o internamente naquela unidade tenha atrasado os tratamentos de quimioterapia, ao ponto de afectar seriamente as hipóteses de conseguir sobreviver ao cancro. A mulher aguarda agora julgamento.

Sinceramente não sei bem o que dizer de alguém com este tipo de comportamento especialmente do próprio filho. Sinceramente, que não sei.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D