Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

22
Jan18

Best City no Balde

jl

aeroporto.jpgOlá.

Hoje estava a ver na Net uma peça que falava sobre destinos turísticos e onde a cidade do Porto estava bastante destacada, especialmente devido aos inúmeros prémios que tem conquistado. Sendo eu tripeiro fico contente com este facto.

Mas para visitar a Invicta muitas centenas de milhares de pessoas chegam ao Aeroporto de Pedras Rubras, que embora esteja situado na cidade da Maia, a maioria dos estrangeiros e mesmo portugueses associa este equipamento à cidade do Porto. E sendo o primeiro sítio que se vê em terras lusas, seria importante causar uma boa impressão. Claro que isso sou eu a dizer com o meu lado optimista, porque o primeiro impacto que se tem, é que se chegar num dia de chuva no parque de estacionamento tem baldes e caixas a apanhar as pingas.

Agora imaginem se o Porto não fosse um sitio bastante procurado por turistas!! Podemos ficar chateados quando falam mal da nossa terra, mas a verdade seja dita, temos uma mentalidade que não é nada exigente.

21
Jan18

Que tal, Superpais?

jl

SUPER.jpgOlá.

Por estes dias, o debate do programa da SIC Supernanny (os nomes portugueses estão esgotados?) anda por aí e este programa faz-me lembrar o primeiro Big Brother. Ninguém viu, mas toda a gente sabe o que lá se passou e não faltam palpites perante as situações. Mas cá vai:

“Supernanny” tem "elevado risco" de violar direitos de crianças, diz Comissão de menores

A Comissão de Protecção das Crianças e Jovens manifestou a sua preocupação directamente à SIC e ainda remeteu o assunto para a Entidade Reguladora da Comunicação Socia, já que pode "violar os direitos das crianças", nomeadamente o direito à reserva da vida privada.

"Numa primeira análise efectuada ao conteúdo do programa" (em que uma psicóloga clinica se desloca a casa de uma família para ajudar os pais a controlar a rebeldia dos filhos), a comissão considera existir um "elevado risco" de este "violar os direitos das crianças, designadamente o direito à sua imagem, à reserva da sua vida privada e à sua intimidade".

Num comunicado divulgado na passada segunda-feira, a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens considera ainda que o conteúdo do programa é "manifestamente contrário ao superior interesse da criança, podendo produzir efeitos nefastos na sua personalidade, imediatos e a prazo". Até poderei estar de acordo, mas a continuação de um mau comportamento de uma criança é positivo?

No âmbito das suas atribuições, e tendo em conta os conteúdos pré-anunciados do programa e queixas remetidas à comissão, a CNPDPCJ manifestou junto da estação de televisão SIC a sua "preocupação face a este tipo de formato e conteúdos solicitando uma intervenção com vista à salvaguarda do superior interesse da criança".

Remeteu igualmente para a Entidade Reguladora da Comunicação Social o pedido de análise do conteúdo do programa.

A CNPDPCJ informa ainda que encaminhou para a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) com competência territorial a situação concreta transmitida no domingo pela SIC para "avaliação e acompanhamento do caso". Como se sabe esta Comissão é muito rápida a reagir a estas situações, mas não seria tão lindo se fossem sempre assim. Quando miúdos estão em risco, por exemplo?

No comunicado, a comissão nacional apela também aos meios de comunicação social que "assumam um papel responsável, protetor e defensor dos direitos da criança". De pleno acordo, mas estes conselhos também seriam bons em uso próprio!!

Reconhecendo o papel fundamental da comunicação social na "construção de uma opinião pública informada e sensibilizada para a defesa dos direitos da criança", a comissão nacional apela aos media que "assumam um papel responsável, protector e defensor dos direitos da criança". Mas antes da comunicação social assumir o papel, esta parte é da responsabilidade dos encarregados de educação. O nome encarregado de educação diz tudo. Os pais ou tutores das crianças não podem esperar que a Escola dê educação. Poderá ajudar, mas o papel da Escola ou de um Infantário é de formação. Mas como isto hoje é só «mariquices», isto é quase chover no molhado!

20
Jan18

Sozinhos na loja!!

jl

home alone.jpgOi.

Sabem aquelas coisas que por vezes se ouvem e uma pessoa fica na dúvida se tem algum problema no ouvidito. Pois bem, neste momento estou nesse ponto. Para comprovar isso mesmo cá está a história:

Ladrão processa dono de loja por lesão nos tintins

Assaltante garante ter ficado ferido na loja de conveniência. Porém, os ferimentos foram feitos durante o assalto que levou a cabo com outros dois homens.

O assalto remonta a 2015 quando três homens usaram uma marreta para entrar na loja de conveniência Centra situada em Kingscourt, na Irlanda. O usar a marreta não é crime, coitaditos. Lá se esqueceram da chave!

O assalto acabou por se revelar falhado, pois os três homens foram detidos pela polícia, tendo sido condenados a uma pena de prisão de seis meses suspensa por igual período. Isto sim é castigo; pena suspensa.

No entanto, conta o Irish Independent, a história não se ficou por aí, pois recentemente o dono da loja recebeu uma carta do advogado de um dos ladrões.

“Fiquei parvo, completamente estupefacto quando recebi a carta”, disse Kevin Victory que teve um prejuízo de cerca de 3 mil euros devido aos estragos causados pelos assaltantes.

O proprietário do estabelecimento explicou que o seu seguro recusa cobrir a responsabilidade que lhe é atribuída e o caso agora vai ser analisado pelas autoridades.

Quanto à lesão, não fica claro como ocorreu, nem qual a gravidade da mesma. Às vezes leio coisas que me fazem lembrar os ladrões que entravam no filme Sozinho em Casa. Tão estúpidos que até fazem rir!

19
Jan18

Conhecer os limites

jl

clay.jpgOlá.

Hoje enquanto andava a ver a Net vi uma peça de uma atleta que deixa qualquer um a pensar se existem sacrifícios que valem a pena. Claro que depois de ler a peça, a resposta é não, mas a pressão que estas pessoas sofrem às vezes poderá levar a ultrapassar os limites. Mas cá vai a história:

"Eu só queria ser a melhor", diz a atleta britânica Bobby Clay num relato na primeira pessoa publicado na revista Athletics Weekly.

Bobby era uma das grandes promessas do atletismo no Reino Unido, mas de repente passou a ser conhecida como "aquela menina". "A menina que treinou demais, a menina que não se alimentou. A menina de que todas as pessoas falam e que pensam que não acontecerá o mesmo com elas", refere a jovem.

"Sempre tive a confiança de que poderia ser alguém ao correr e competir, mas isso assumiu por completo o controlo da minha vida", admite.

A obsessão absurda pelo desporto levou a atleta a submeter-se, desde os primeiros anos da adolescência, a um regime de treinos duro que ultrapassou os limites físicos do seu corpo de adolescente. "Tenho 20 anos e nunca menstruei. Tenho 20 anos e sofro de osteoporose. Tenho 20 anos e agora sou 'aquela menina'".

Clay destacou-se desde cedo pela sua aptidão e gosto pela corrida. Ainda nos primeiros anos da fase da puberdade, integrou a seleção nacional britânica e participou em campeonatos mundiais de cross-country, modalidade disputada em terrenos irregulares.

Ficou em quarto lugar na prova dos 1.500 metros no campeonato mundial juvenil de 2013 e chegou às finais dos mundiais de sub 20 em 2014 e 2016. Aos 19 anos, tornou-se campeã europeia, obtendo a sua melhor marca nos 1.500 metros e um dos melhores tempos do mundo para atletas da sua idade. Tudo parecia indicar uma carreira de sucesso, mas o corpo da atleta começou a dar os primeiros sinais de fraqueza.

Fractura a nadar

"Estava a nadar normalmente e quando fiz uma viragem na piscina e empurrei a parede com os pés, um deles partiu-se. Doeu muito", disse a jovem em entrevista à BBC. "Não é normal partir um pé a nadar. Na verdade, é estranho", conta. Os exames médicos não deram margem para dúvidas: Os clínicos diagnosticaram à campeã europeia dos 1.500 metros uma osteoporose avançada. "Entrei em estado de negação, dizia-me que iria ficar bem, mas tive outra fratura e depois outra e mais outra", recorda, emocionada.

O corpo de Bobby Clay reagiu justamente quando a jovem tinha encontrado o "ambiente ideal" para crescer enquanto atleta. Estava na universidade e com um novo treinador. "Consegui progressos importantes e estava a aprender a treinar de forma inteligente", recordou.

No entanto, a jovem afirma ter consciência de que a osteoporose surgiu devido ao excesso de treino, défice alimentar e ausência de menstruação, algo que ela acreditava ser uma vantagem competitiva sobre as rivais. "Sabia que um corpo com pouca gordura não menstruaria, mas via isso como algo positivo para o meu rendimento desportivo", frisa.

Foi nessa altura que a campeã britânica começou a ter problemas alimentares e aí surgiram os primeiros sintomas da síndrome de deficiência energética no desporto (RED-S), que resulta do desequilíbrio entre o que se come e o dispêndio energético. A RED-S gera distúrbios hormonais e menstruais, anemia, fadiga crónica, aumento do risco de infeções e alterações da função vascular, o que eleva as hipóteses de enfarte ou acidente vascular cerebral.

Hoje, Bobby Clay está retirada da alta competição e faz tratamentos para estimular o corpo a produzir hormonas essenciais para aumentar a densidade óssea. O objetivo é ter, também, um ciclo menstrual normal.

Claro que fazer desporto é bom e saudável, mas isso deve fazer parte da vida e não ser a própria vida.

18
Jan18

Porot, essa bela localidade

jl

porot.pngOlá ou como se diz em inglês Holle!

Estando nós ainda no Inverno, o tempo ainda está convidativo para estar em casa sossegadinho e quentinho. Mas o tempo quando melhorar um pouco vai convidar a dar umas voltinhas por aí. E como a carteira não facilita muito nada melhor do que começar a passear pela nossa terra. Porque isto de se ir começar a visitar certos locais, em vez de se começar a conhecer a nossa terrinha é imperdoável. Mas quando o Sol espreitar e a temperatura aumentar um pouco vou visitar com a minha pimpolha a cidade do Porot. Não conhecem? Não sabem onde é? É fácil, quem vem de Gaia atravessa a ponte e chega à cidade do Porot. Ai pensavam que se chamava Porto? Não isso deve ter sido antes do novo acordo ortográfico. Ou isso ou os senhores que organizam visitas pela cidade quando fazem panfletos andarem a nanar. Para já, acho que é um absurdo colocarem em realce a língua inglesa e porem o português quase em segundo plano, mas colocarem erros numa coisa destas é inaceitável

18
Jan18

Lagostas, essas coitadinhas

jl

img_797x448$2016_03_31_16_13_47_160957.jpgOlá.

Por vezes leio certas coisas que me deixam meio tété. E muitos casos desses chegam de países em vias de desenvolvimento, mas o caso que aqui trago chega de um país do chamado Primeiro Mundo. Aqui vai então:

Cozinhar lagostas na Suíça? Só depois de estarem anestesiadas

Governo helvético deu um mês e meio aos empresários do setor hoteleiro para acomodar as novas regras: lagostas têm de ser mantidas no seu ambiente natural e anestesiadas antes de serem cozinhadas. Para além da anastesia, o que me chamou a atenção foi que os bichanos têm de ser mantidos no seu ambiente natural. Isso é o quê? Colocar as lagostas no oceano?

A partir de março, na Suíça, as regras na cozinha vão mudar: os cozinheiros só poderão atirar lagostas para a água a ferver depois de os crustáceos estarem devidamente “anestesiados”. É a resposta do Governo helvético aos defensores dos direitos dos animais, e outros países podem seguir-se.

A nova regulamentação do Governo suíço estabelece algumas alterações àquilo que é a prática habitual nas cozinhas suíças – e em todas as que se cozinham estes pratos. O texto aprovado em Berna na passada semana, e citado pela agência Reuters, refere que “os crustáceos vivos, incluindo a lagosta, não poderão continuar a ser transportados em gelo ou em água gelada. As espécies aquáticas devem ser sempre mantidas no seu ambiente natural. Os crustáceos devem agora ser anestesiados antes de serem mortos”.

Mas o melhor vem aí; a partir do momento em que a nova regulamentação passar a ser aplicada, as lagostas terão de ser anestesiadas com choques eléctricos ou, em alternativa, os restaurantes terão de garantir que realizam uma “destruição mecânica” do cérebro dos crustáceos.

Foi a solução encontrada pelas autoridades do país para ir ao encontro das exigências feitas pelas associações de defesa dos direitos dos animais. Os ativistas têm insistido na ideia de que as lagostas, como outros crustáceos, são dotadas de um sistema nervoso sofisticado que faz com que sintam dor quando em contacto com a água a ferver.

Choques eléctricos ou destruir o cérebro mecanicamente é bom? Hummmm! Eu estou a ficar parvo só pode.

Na Suíça, de acordo com o jornal Tages Anzeiger, os proprietários de restaurantes não se mostraram entusiasmados com as mudanças anunciadas, uma vez são obrigados a adaptar os seus espaços às novas regras de preservação dos crustáceos.

Para já, a mudança quanto à forma como as lagostas são preservadas e cozinhadas nos restaurantes vai concretizar-se nos cantões suíços. Mas poderá alargar-se a outras geografias. A Reuters lembra que, em junho do ano passado, o Supremo Tribunal italiano já tinha tomado uma decisão no sentido que os crustáceos não podem ser mantidas em gelo, devido ao sofrimento injustificado por que passam antes de, finalmente, morrerem cozidos.

Ou seja o pessoal que gosta de arroz de cabidela um dia destes está tramado, porque isto de cortar a cabeça a uma galinha vai dar pena de prisão. Matar uma pessoa um dia destes não é crime, mas um frango ou uma lagosta é um ultraje!

17
Jan18

Cinto de (in)segurança

jl

cinto-de-segurança-durante-a-gravidez.jpgOlá.

Hoje li um artigo que me fez recordar uma «discussão» que há uns dias atrás ouvi entre duas senhoras. Cá vai então:

A Guarda Nacional Republicana esclarece grávidas sobre uso do cinto de segurança

A G.N.R fez uso das suas redes sociais para explicar a dúvida levantada várias vezes pelas futuras mamãs. É ou não seguro para as grávidas o uso do cinto de segurança?

"Em caso de acidente este sistema de retenção assume particular importância na proteção tanto da mãe, como da criança", lê-se em comunicado enviado às redações. No entanto, ressalvam, este deve ser "cuidadosamente colocado".

Segundo a GNR, o cinto deve ser posto normalmente, mas com atenção a que se ponha a tira horizontal por baixo da barriga, de forma a que "em caso de travagem, pressione na zona das ancas e não na barriga". A tira diagonal deve ser posta sobre o ombro, cruzar o tórax pelo meio do peito "por cima da barriga".

Na publicação é recordado ainda que o não usar o cinto de segurança não é uma opção, mesmo para grávidas, sendo apenas aceite o seu 'não uso' em caso de "atestado médico por graves razões de saúde".

16
Jan18

O que é importante nesta vida?

jl

naom_5a57c2daf1e64.jpgBoas.

Quando se pensa que a vida nos está sempre a pregar partidas, eis que nos aparecem certas coisas à frente que nos fazem ver que aquilo que parecia ser uma enorme adversidade afinal não passa de um pequeno problema. Cá vai então aquilo que hoje me fez pensar assim:

Morreu menina com doença rara que envelhecia oito vezes mais rápido

Lucy Parke, uma menina oriunda de Co Down, na Irlanda, com uma rara doença genética, morreu aos oito anos de idade, no início deste mês de janeiro, segundo indica o jornal Belfast Telegraph.

A criança era portadora da síndrome Hutchinson Gilford Progeria, uma doença que causa envelhecimento precoce e que afeta apenas uma em cada 4 milhões de pessoas no mundo. Como não tem cura, os seus portadores têm uma esperança média de vida reduzida, não ultrapassando, geralmente, a adolescência.

De acordo com especialistas, a condição de que Lucy padecia fazia com que o seu ritmo de envelhecimento fosse oito vezes mais rápido do que o normal.

“Perdemos a nossa preciosa Lucy. O seu corpo estava fraco mas o seu coração era forte. O seu amor pela vida e o seu maravilhoso sorriso faziam-nos orgulhosos por ser os seus pais”, afirmou a família, em comunicado.

A vida e o exemplo de pessoas como Lucy serve de inspiração para crianças com condições de saúde igualmente difíceis. Para além disso, os adultos tem que saber relativizar as coisas que nos acontecem na vida. Quando se está dez minutos numa fila de trânsito é aborrecido, mas é só isso. Não dá para ferver em pouca água.

15
Jan18

Em forma em 2018

jl

branded_teresabranco_artigo2_770x433_acf_cropped.jOlá.

Ontem enquanto lia umas coisitas deparei-me com um artigo que me chamou bastante a atenção e que se aplica a uma larga maioria da população. Mas cá vai:

Será que precisa de ajuda para perder peso?

Passar a ter mais cuidado com a alimentação e fazer exercício bastará para perder aqueles quilitos a mais que a balança mostra? Ou será que vai precisar de apoio especializado? E não esquecer que é muito melhor pensar em Janeiro nestes factos do que se lembrar em Maio que a altura da praia está a chegar.

A partir dos 40 anos são muitas as pessoas e neste caso em particular as mulheres que se queixam do mesmo problema: aumento de peso e grande dificuldade em perdê-lo. E o mais normal é que agora, depois dos excessos da quadra festiva, a frustração aumente, já que o mais provável é que a balança revele uns quilos a mais. E embora já tenha sido há mais de quinze dias, os quilitos vieram para ficar, a não ser que se faça algo para combater.

Está, pois, na altura de pôr mãos à obra para recuperar o controlo sobre o corpo. Mas será que vai conseguir fazê-lo sozinha ou irá precisar de um programa personalizado? Para a ajudar a perceber isto, foi elaborado o seguinte teste.

Para o realizar só tem de ler cada uma das 12 afirmações apresentadas em baixo. Se se identificar com as situações descritas, significa que necessita de ajuda especializada para voltar ao seu peso habitual.

-Não consigo voltar ao meu peso habitual por mais dietas que tente

-Privo-me de comer bolos, pão e fritos, mas mesmo assim o ponteiro da balança parece que está avariado já que o mesmo não se mexe

-Aumentei de peso por volta dos 40 anos e agora o tempo não quer mesmo voltar para trás já que não consigo voltar ao que era

-Faço exercício físico regularmente mas o “pneuzito” que tenho na barriga parece que faz parte do meu corpo já que não sai

-Uma pessoa sentir-se frustrada, porque parece que não tenho controlo nenhum sobre o meu corpo

-Começar a ver que se começou a armazenar gordura na região abdominal

-As senhoras aumentam o número de soutien e ficam com os braços mais cheios e flácidos

-Fazer a mesma dieta que foi receitada por um especialista há uns anos e com a qual se tinha conseguido perder o peso pretendido na altura, mas agora não está a dar resultado

-O stress está muito presente na minha vida e sofro de ansiedade

-Quando se está mais triste ou ansioso tendo a comer coisas que sei que não são as melhores para mim e isso faz-me sentir ainda pior. Faz bem na altura, mas depois os remorsos atacam.

-Os meus intestinos têm vindo a ficar cada vez mais preguiçosos e lentos

-Sinto-me sempre cansado e sem energia

O que fazer em cada caso concreto?

De acordo com a fisiologista Teresa Branco, se respondeu afirmativamente a pelo menos duas destas frases, significa que o seu metabolismo está modificado. Nesse caso, “necessita de realizar um diagnóstico relativo ao seu metabolismo e introduzir algumas modificações no estilo de vida que pratica, com vista a equilibrar o seu metabolismo e, assim, atingir os objetivos de perda de massa gorda, tonificação do corpo e ganhos de energia e bem-estar”.

Mas para cada uma das 12 afirmações enunciadas, Teresa Branco explica o que pode estar a acontecer e indica as soluções a adoptar:

1 – Não consigo voltar ao meu peso habitual por mais dietas que tente

O seu metabolismo está mais lento. Necessita de fazer uma avaliação no sentido de o optimizar e conseguir perder peso. Tal passará pela elaboração de uma nova abordagem alimentar adequada ao novo metabolismo e pela prescrição de uma actividade física eficaz. Além disso, é importante verificar os défices e as alterações hormonais que possa estar a registar e em caso de necessidade, proceder à suplementação hormonal adequada para o seu caso.

2 – Privação de comer certas coisas

É possível que privação de bolos, fritos e pão não chegue para si. São necessárias adaptações alimentares específicas para o seu metabolismo, pois existem alimentos considerados saudáveis para a generalidade das pessoas que o seu organismo não consegue metabolizar.

3 – Aumentei de peso por volta dos 40 anos

Se é senhora poderá estar a passar por uma pré-menopausa com alguns défices hormonais que devem ser repostos de forma a equilibrar novamente o seu metabolismo.

4 – Faço exercício físico regularmente mas o “pneuzito” que tenho na barriga parece que faz parte do meu corpo já que não sai

É provável que o seu metabolismo se tenha alterado, estando a despender – quer em repouso quer em esforço – de menos calorias. Isso promove uma acumulação de gordura corporal, nomeadamente na região abdominal, uma vez que é possível que também já existam alguns défices hormonais que conduzem a essa situação, nomeadamente um défice de progesterona. A sua reposição irá contribuir para que obtenha uma cintura mais estreita. No caso dos homens, aquele liquido chamado cerveja também ajuda a isto.

5 – Sinto-me frustrado

E é verdade. Essa sensação deve-se ao facto de existirem algumas alterações fisiológicas (hormonais, vitamínicas e minerais) que não se consegue identificar, que levam a que o seu organismo esteja a funcionar menos bem. Necessita de fazer uma avaliação ao seu organismo, de forma a serem colmatados esses défices e voltar a ter um metabolismo mais funcional.

6 – Armazenamento de gordura

O armazenamento de gordura abdominal (especialmente na mulher) pode denunciar uma alteração hormonal. Nomeadamente, poderá estar a metabolizar menos bem os hidratos de carbono, além de que poderá haver um défice de progesterona e uma dominância dos estrogénios, o que leva a uma maior predisposição para acumular gordura naquela região corporal.

 

7 – Aumento das «marufas»

Estes sintomas revelam um défice de progesterona, estando o seu organismo dominado pelos estrogénios. Usualmente estas mulheres têm também uma forte tensão mamária, irritabilidade e perda de energia. Será importante fazer uma avaliação desta situação de forma a corrigi-la. É também importante levar a cabo uma abordagem nutricional e de atividade física adequada.

8 – Se a dieta é a mesma, porque raio é que não emagreço?

Isto acontece porque o seu metabolismo se alterou. Neste momento estará a gastar diariamente menos calorias e a abordagem nutricional que estava adaptada ao seu organismo na altura, atualmente já não é a mais adequada. Nesta situação é necessário avaliar o seu metabolismo e as questões hormonais – corrigindo o necessário – para que a estratégia alimentar surta mais efeito.

9 – O stress!!

Usualmente, os elevados níveis de stress e de ansiedade levam a alterações do metabolismo que podem conduzir, de forma indireta, ao aumento do peso na balança. Por outro lado, estes níveis de ansiedade estão associados a um menor controlo sobre aquilo que ingerimos e sobre o nosso apetite, pelo que é necessário adquirir estratégias e ferramentas para melhor gerir o stress.

10 – Quando estou mais triste ou ansiosa perco o controlo sobre o que como.

Está a comer de forma emocional quando está triste e ansioso e não porque necessita de calorias. É importante perceber quais são os fatores que a levam a desenvolver esse padrão, de forma a conseguir controlar o impulso para comer. A ajuda de um especialista nessa área (psicólogo) seria muito importante.

11 – Os meus intestinos são como o dinheiro. É raro aparecer!

O trânsito intestinal é um dos sintomas de um metabolismo lentificado. É necessário avaliar a sua função da tiroide, de forma a perceber se existem alterações que condicionem o trânsito intestinal. É também importante alterar o padrão alimentar com vista a regular o funcionamento dos intestinos. A ingestão de água é muito importante.

12 – Sinto-me cansadito e com vontade de não fazer nada

A falta de energia pode estar associada a défice de horas de sono (como me identifico com isto), bem como a um mau funcionamento da tiroide. Pode também estar relacionada com o facto de não estarmos bem emocionalmente. É, pois, necessário fazer uma avaliação a todos estes fatores com o objetivo de reparar os níveis de energia.

Esperando desde já que este artigo ajude em alguma coisa.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub