Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

23
Jan18

Crianças e comportamento

jl

criança.pngOlá.

Que vocês estejam bem aí por esses lados. Hoje li um artigo curioso que falava em como melhorar o nosso desempenho enquanto pais. E como não gosto de guardar tudo para mim decidi trazer aqui algumas ideias chave do que li:

O mesmo artigo falava em sete conselhos para ser um melhores pais

Educar uma criança não é, de facto, uma tarefa fácil. Por muito lindos que sejam os livros teóricos sobre o tema e sobre o comportamento dos pimpolhos, a prática fica quase sempre aquém do que vem escrito em obras que mais parecem manuais de instrução de seres humanos com menos de 15 anos. E nunca esquecer que uma criança é um ser humano e como é normal, cada pessoa tem um comportamento diferente de outra.

Apesar dos conhecimentos que se adquirem por teoria serem sempre uma ajuda bastante prática – quanto mais não seja para detectar erros -, a verdade é que a boa educação de uma criança depende, claro, da criança em si, mas também dos seus progenitores e da forma como se vêm a si mesmos. Ser um bom pai ou uma boa mãe é algo difícil de definir, mas a base é uma certeza.

E tudo começa com o auto-conhecimento. Os pais devem conhecer-se a si mesmos, refletir sobre os seus actos e sobre os próprios pensamentos, pois só assim é possível decifrar alguns comportamentos padrão das crianças, encontrando a melhor forma de os solucionar. E nós enquanto adultos não somos também «donos» de toda a sabedoria.

Ternura, é daquelas coisas que qualquer pai deve dar a um filho. E ter muito cuidado com aquela coisa de compararem o comportamento dos seus filhos com o de outras crianças. E ter atenção às altas expectativas que pomos em relação aos garotos. Não esquecer que uma criança deve ser criança e não um adulto em miniatura.

Ser um bom pai e uma boa mãe requer ainda dar tempo ao tempo e, em particular, dar tempo à criança, priorizando os momentos em conjunto e em família, em prol de qualquer situação de isolamento à boleia de um dispositivo móvel. Mas se importa passar mais tempo em família, importa também dar mais atenção à mesma, incluindo-se aqui às confusas e constantes conversas que as crianças têm. Conversar diariamente com a criança e falar como foi o seu dia no infantário ou na escola é daquelas pequenas coisas que por vezes tem muito significado.

O positivismo deve ser sempre a palavra de ordem dentro e fora de casa, cabendo aos pais estimular o lado mais optimista das crianças, não rejeitando – nem desvalorizando – a tristeza e a irritação que os miúdos podem sentir, porque eles são pessoas. O ideal é fazer do optimismo o ponto de actuação e dar a devida importância ao pessimismo e à tristeza, mostrando à criança que são sentimentos necessários para o seu desenvolvimento pessoal e social.

Por fim, mas não menos importante, é que os pais devem ensinar as crianças a serem resilientes, isto é, a valorizarem as adversidades e a procurarem a melhor forma de as ultrapassar. A aprendizagem é fundamental e depende, muitas vezes, dos exemplos dados pelos pais no dia-a-dia. Por vezes só se dá valor a algo positivo, quando nos acontece algo que nos deixou uma marca negativa.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D