Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

27
Set17

De caixão à cova

jl

dinheirinho.jpgCruzes credo.

Hoje venho falar de negócios que são um bocado de caixão à cova.  Sempre ouvi dizer que em terra de cego, quem tem olho é Rei. Pois apresento de seguida um grupo que teve olho. O problema foi quando apareceu alguém que via dos dois olhos. Vamos lá então:

O negócio que se vivia no cemitério de Portimão. Um trocadilho giro; vivia e cemitério!!

Cinco coveiros e o seu chefe revendiam o mármore das campas do cemitério. Um processo disciplinar ditou o afastamento por três meses do mentor do esquema. Havia o bando dos cinco. Aqui era o bando dos seis!

O esquema já tinha um tempito, mas só agora é que motivou a abertura de um processo disciplinar por parte da Câmara de Portimão: cinco coveiros municipais e o respectivo chefe, o encarregado do cemitério, tinham um negócio paralelo de venda do mármore das campas, que era transaccionado assim que era feita a exumação dos corpos. Eles lá pensaram, já que o pessoal vai mudar de casa, deixa vender o «apartamento».

Segundo informações recolhidos por quem sabe, quando se completavam os anos de sepultura legais e os restos mortais eram desenterrados, o responsável pela equipa de coveiros, tratava então da revenda das pedras das campas, designadamente a familiares de pessoas que tivessem falecido há pouco tempo, por valores compreendidos entre 200 e 250 euros.

O responsável  ficou, assim, conhecido como intermediário e facilitador de um esquema em que toda a gente acabava por lucrar: os proprietários dos mármores, regra geral, 100 euros; o coveiro a quem fossem atribuídos os trabalhos de exumação facturava cerca de 60 euros; e o restante ficava para o encarregado do cemitério municipal. Só existia um pequeno problema: era tudo feito sem a autarquia saber como é óbvio, já que teria direito a conservar na sua posse os materiais não reclamados pelas famílias dos mortos, bem como a definir o seu destino.

Mas bastante original é que o encarregado chegou a passar recibos pelos serviços prestados após o levantamento das ossadas.

Devido a uma denúncia  do que se estava a passar no cemitério, a Câmara de Portimão, abriu um processo disciplinar que resultou em 90 dias de suspensão para o encarregado e afastamento com pena suspensa para os coveiros.

Ou seja quem for desses lados e tiver algum familiar para enterrar convém arranjar umas pessoas para abrirem o buraco porque senão depois do choro ainda tem direito a uma sessão de ginásio!!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D