Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

15
Jan18

Em forma em 2018

jl

branded_teresabranco_artigo2_770x433_acf_cropped.jOlá.

Ontem enquanto lia umas coisitas deparei-me com um artigo que me chamou bastante a atenção e que se aplica a uma larga maioria da população. Mas cá vai:

Será que precisa de ajuda para perder peso?

Passar a ter mais cuidado com a alimentação e fazer exercício bastará para perder aqueles quilitos a mais que a balança mostra? Ou será que vai precisar de apoio especializado? E não esquecer que é muito melhor pensar em Janeiro nestes factos do que se lembrar em Maio que a altura da praia está a chegar.

A partir dos 40 anos são muitas as pessoas e neste caso em particular as mulheres que se queixam do mesmo problema: aumento de peso e grande dificuldade em perdê-lo. E o mais normal é que agora, depois dos excessos da quadra festiva, a frustração aumente, já que o mais provável é que a balança revele uns quilos a mais. E embora já tenha sido há mais de quinze dias, os quilitos vieram para ficar, a não ser que se faça algo para combater.

Está, pois, na altura de pôr mãos à obra para recuperar o controlo sobre o corpo. Mas será que vai conseguir fazê-lo sozinha ou irá precisar de um programa personalizado? Para a ajudar a perceber isto, foi elaborado o seguinte teste.

Para o realizar só tem de ler cada uma das 12 afirmações apresentadas em baixo. Se se identificar com as situações descritas, significa que necessita de ajuda especializada para voltar ao seu peso habitual.

-Não consigo voltar ao meu peso habitual por mais dietas que tente

-Privo-me de comer bolos, pão e fritos, mas mesmo assim o ponteiro da balança parece que está avariado já que o mesmo não se mexe

-Aumentei de peso por volta dos 40 anos e agora o tempo não quer mesmo voltar para trás já que não consigo voltar ao que era

-Faço exercício físico regularmente mas o “pneuzito” que tenho na barriga parece que faz parte do meu corpo já que não sai

-Uma pessoa sentir-se frustrada, porque parece que não tenho controlo nenhum sobre o meu corpo

-Começar a ver que se começou a armazenar gordura na região abdominal

-As senhoras aumentam o número de soutien e ficam com os braços mais cheios e flácidos

-Fazer a mesma dieta que foi receitada por um especialista há uns anos e com a qual se tinha conseguido perder o peso pretendido na altura, mas agora não está a dar resultado

-O stress está muito presente na minha vida e sofro de ansiedade

-Quando se está mais triste ou ansioso tendo a comer coisas que sei que não são as melhores para mim e isso faz-me sentir ainda pior. Faz bem na altura, mas depois os remorsos atacam.

-Os meus intestinos têm vindo a ficar cada vez mais preguiçosos e lentos

-Sinto-me sempre cansado e sem energia

O que fazer em cada caso concreto?

De acordo com a fisiologista Teresa Branco, se respondeu afirmativamente a pelo menos duas destas frases, significa que o seu metabolismo está modificado. Nesse caso, “necessita de realizar um diagnóstico relativo ao seu metabolismo e introduzir algumas modificações no estilo de vida que pratica, com vista a equilibrar o seu metabolismo e, assim, atingir os objetivos de perda de massa gorda, tonificação do corpo e ganhos de energia e bem-estar”.

Mas para cada uma das 12 afirmações enunciadas, Teresa Branco explica o que pode estar a acontecer e indica as soluções a adoptar:

1 – Não consigo voltar ao meu peso habitual por mais dietas que tente

O seu metabolismo está mais lento. Necessita de fazer uma avaliação no sentido de o optimizar e conseguir perder peso. Tal passará pela elaboração de uma nova abordagem alimentar adequada ao novo metabolismo e pela prescrição de uma actividade física eficaz. Além disso, é importante verificar os défices e as alterações hormonais que possa estar a registar e em caso de necessidade, proceder à suplementação hormonal adequada para o seu caso.

2 – Privação de comer certas coisas

É possível que privação de bolos, fritos e pão não chegue para si. São necessárias adaptações alimentares específicas para o seu metabolismo, pois existem alimentos considerados saudáveis para a generalidade das pessoas que o seu organismo não consegue metabolizar.

3 – Aumentei de peso por volta dos 40 anos

Se é senhora poderá estar a passar por uma pré-menopausa com alguns défices hormonais que devem ser repostos de forma a equilibrar novamente o seu metabolismo.

4 – Faço exercício físico regularmente mas o “pneuzito” que tenho na barriga parece que faz parte do meu corpo já que não sai

É provável que o seu metabolismo se tenha alterado, estando a despender – quer em repouso quer em esforço – de menos calorias. Isso promove uma acumulação de gordura corporal, nomeadamente na região abdominal, uma vez que é possível que também já existam alguns défices hormonais que conduzem a essa situação, nomeadamente um défice de progesterona. A sua reposição irá contribuir para que obtenha uma cintura mais estreita. No caso dos homens, aquele liquido chamado cerveja também ajuda a isto.

5 – Sinto-me frustrado

E é verdade. Essa sensação deve-se ao facto de existirem algumas alterações fisiológicas (hormonais, vitamínicas e minerais) que não se consegue identificar, que levam a que o seu organismo esteja a funcionar menos bem. Necessita de fazer uma avaliação ao seu organismo, de forma a serem colmatados esses défices e voltar a ter um metabolismo mais funcional.

6 – Armazenamento de gordura

O armazenamento de gordura abdominal (especialmente na mulher) pode denunciar uma alteração hormonal. Nomeadamente, poderá estar a metabolizar menos bem os hidratos de carbono, além de que poderá haver um défice de progesterona e uma dominância dos estrogénios, o que leva a uma maior predisposição para acumular gordura naquela região corporal.

 

7 – Aumento das «marufas»

Estes sintomas revelam um défice de progesterona, estando o seu organismo dominado pelos estrogénios. Usualmente estas mulheres têm também uma forte tensão mamária, irritabilidade e perda de energia. Será importante fazer uma avaliação desta situação de forma a corrigi-la. É também importante levar a cabo uma abordagem nutricional e de atividade física adequada.

8 – Se a dieta é a mesma, porque raio é que não emagreço?

Isto acontece porque o seu metabolismo se alterou. Neste momento estará a gastar diariamente menos calorias e a abordagem nutricional que estava adaptada ao seu organismo na altura, atualmente já não é a mais adequada. Nesta situação é necessário avaliar o seu metabolismo e as questões hormonais – corrigindo o necessário – para que a estratégia alimentar surta mais efeito.

9 – O stress!!

Usualmente, os elevados níveis de stress e de ansiedade levam a alterações do metabolismo que podem conduzir, de forma indireta, ao aumento do peso na balança. Por outro lado, estes níveis de ansiedade estão associados a um menor controlo sobre aquilo que ingerimos e sobre o nosso apetite, pelo que é necessário adquirir estratégias e ferramentas para melhor gerir o stress.

10 – Quando estou mais triste ou ansiosa perco o controlo sobre o que como.

Está a comer de forma emocional quando está triste e ansioso e não porque necessita de calorias. É importante perceber quais são os fatores que a levam a desenvolver esse padrão, de forma a conseguir controlar o impulso para comer. A ajuda de um especialista nessa área (psicólogo) seria muito importante.

11 – Os meus intestinos são como o dinheiro. É raro aparecer!

O trânsito intestinal é um dos sintomas de um metabolismo lentificado. É necessário avaliar a sua função da tiroide, de forma a perceber se existem alterações que condicionem o trânsito intestinal. É também importante alterar o padrão alimentar com vista a regular o funcionamento dos intestinos. A ingestão de água é muito importante.

12 – Sinto-me cansadito e com vontade de não fazer nada

A falta de energia pode estar associada a défice de horas de sono (como me identifico com isto), bem como a um mau funcionamento da tiroide. Pode também estar relacionada com o facto de não estarmos bem emocionalmente. É, pois, necessário fazer uma avaliação a todos estes fatores com o objetivo de reparar os níveis de energia.

Esperando desde já que este artigo ajude em alguma coisa.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D