Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

23
Jun18

Estudo das crianças

jl

Pai.jpgBoas.

Desde o nascimento da minha pimpolha que os assuntos relacionados com a Educação passaram a chamar-me muito mais a atenção. E o artigo que trago hoje, embora fale sobre 10 maneiras de melhorar as notas dos miúdos na Escola penso que é sempre útil. E embora para mim ainda seja uma realidade um pouco distante, o tempo passa num ápice. Mas cá vai então:

Muitas vezes nós pais, tentamos delegar os estudos dos nossos filhos a um explicador ou a uma empresa de explicações e isso por si só, não é a melhor maneira de proceder. Ensinar as nossas crianças a estudar é uma das melhores formas de as ajudar a curto, médio e longo prazo até porque para os miúdos se tornarem autónomos e seguros de si, os educadores deverão acompanhar o seu progresso nos estudos e dar-lhe, progressivamente, espaço para que tomem a iniciativa de estudar e trabalharem sozinhos.

  1. Deixe de fora tudo que possa distrair a criança

O primeiro passo é um dos mais simples. Num ambiente sem distracções, coloque sobre a mesa apenas o material que vai usar e o livro aberto na página que a criança deve estudar. Nada de ditaduras, mas nada de música ou televisão.

  1. Faça contas realistas

Calcule o tempo que levará a estudar uma determinada quantidade de matéria e defina um plano flexível e realista, explicando à criança as razões por que estabeleceu esse plano e não outro. O dialogar é a melhor maneira.

  1. Não deixe a criança sozinha

Sente-se ao seu lado enquanto faz os trabalhos de casa, sem dizer quais são as soluções para os problemas. Se quer ir ver a novela ou o futebol tenha paciência e veja depois. A criança também não está a ver a Patrulha Pata pois não?

  1. Acompanhe o estudo

Verifique como a criança chega aos resultados, se leu bem e/ou se interpretou corretamente o enunciado. No caso de dúvidas, procure esclarecê-la e alertá-la para pormenores que eventualmente lhe passaram despercebidos. Isto para além de ser positivo para os miúdos, também o é para nós que assim recordamos a nossa infância.

  1. Não complique

Se a criança não compreender algum passo para a resolução dos problemas, explique-lhe o raciocínio de forma clara e sucinta, dando-lhe pistas para que seja ela a descobrir a forma como deve pensar. O que para nós poderá ser daquelas coisas básicas, para eles não. E você já não foi assim?

  1. Incentive à leitura

Se a criança lê devagar ou tem de voltar atrás várias vezes na leitura, ou nunca consegue identificar os pontos essenciais daquilo que lê, escolha um texto com quatro parágrafos, no máximo. Divida-o e peça ao seu filho que escreva o significado de cada um deles. No final, a criança deve explicar oralmente o que o texto quer dizer. Tente levar isto quase como uma brincadeira. Será muito melhor para todos.

  1. Manter a calma

Reaja de forma pouco efusiva e emocional perante erros e dificuldades, evitando que a criança associe o estudo a um momento de ansiedade. Especialmente em crianças pequenas a maneira como se estuda criará raízes para o futuro. E isto será para o bem ou para o Mal.

  1. Afaste-se progressivamente

Comece a ausentar-se do local onde a criança faz os seus trabalhos de casa, quando sentir que já está mais à vontade com as técnicas de estudo que lhe foi incutindo ao longo das fases anteriores. Mas mesmo assim nunca deixe na totalidade de ir espreitando a que a sua criança vai fazendo.

  1. Veja os trabalhos de casa da sua criança

Pergunte se quer que lhe veja os trabalhos de casa. Se a criança não quiser, insista. Por norma, se não os quer mostrar, é porque ainda não interiorizou a matéria, pelo que será aconselhável estudar mais. Mas tente que a criança veja sempre o lado positivo das coisas.

  1. Compense a criança

Reforce positivamente os sucessos, especialmente se tiverem sido conseguidos sem ajuda directa. Do mesmo modo que deve ser paciente ao longo do processo, para não gerar focos de nervosismo e ansiedade, deve elogiar e até premiar, se for caso disso, o esforço feito e os resultados alcançados, sobretudo se a criança os atingiu por ela. Não pense que só os valores materiais é que têm valor, muitas das vezes uma palavra de reconhecimento é também muito importante.

Acima de tudo não podemos ver uma criança como um adulto em miniatura. Existem regras e normas para cumprir, mas tudo no seu tempo e adaptado a cada pessoa.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D