Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

29
Jun20

Planeta plástico

jl

planeta plastico.jpgBoas.

Hoje ao ler o site do SAPO vi um artigo interessante que falava sobre o desgaste do plástico no mar. Nessa mesma peça falavam de duas amostras desse material recuperadas a 4.150 metros baixo da superfície do leste do Oceano Pacífico, descobrindo que a maioria desse plástico ainda estava totalmente intacta. E isso fez-me pensar, até porque basta ir ao supermercado para se ver a quantidade de plástico que trazemos para casa. E se algum dele até utilizamos, a verdade é que na sua maioria é de embalagens que basicamente é de um uso muito rápido (e único) e que vão parar ao nosso lixo e que mais cedo ou mais tarde, mesmo que não nos apercebamos vão parar ao nosso prato.

O mais «engraçado» é que quando os sacos de plástico foram inventados tinham como intuito salvar o planeta. Mas a verdade seja dita, é que saiu tudo ao contrário, já que o plástico tem-se acumulado por tudo que é lado e poluído o planeta de norte a sul.

Quando nos finais dos anos 50 do século passado, os sacos plástico de uso generalizado foram desenvolvidos, foi como uma alternativa aos sacos de papel, cuja produção estava a provocar a desflorestação do Planeta. Esta opcção propunha maior durabilidade, o que significava que eles poderiam ser usados ​​repetidamente – muitas mais vezes do que um saco de papel poderia suportar. Mas ao contrário do que se pensou, em vez de usarmos e reutilizarmos o mesmo saco repetidamente, habitualmente apenas utilizamos os sacos uma vez e de seguida está no lixo.

Segundo aquilo que se sabe, no ano transacto, cerca de 40% do plástico que foi produzido foi de embalagens, que são usadas apenas uma vez e depois descartadas. Basta ir a um supermercado e ver quantas pessoas andam com um saco na carteira e que o mesmo é reutilizado várias vezes.

E é tudo uma questão de educação. Existem estudos que dizem que nos Estados Unidos cada cidadão utiliza cerca de 1 saco por dia e basta multiplicar este valor por quase 330 milhões de pessoas e pelos dias do ano, para termos um valor assustador. Por outro lado, os dinamarqueses utilizavam uma média de quatro sacos de plástico por ano. Dá que pensar não dá?

No ano de 2002, o Bangladesh foi o primeiro país a proibir o seu uso. Desde então, mais de duas dúzias de países seguiram o exemplo. Alguns estudos dizem que o plástico demora cerca de 1.000 anos para serem decompostos.

Mas temos que ter atenção que o problema não é o plástico, somos nós. Existem estudos que nos dizem que um saco de plástico pode ser uma alternativa mais ecológica do que um de papel ou algodão. Embora a opcção por sacos de papel e algodão reduza o desperdício, eles têm outros efeitos ambientais importantes. Enquanto que um saco de papel precise de ser usado pelo menos três vezes para ser verde como um saco de plástico que está a ser reciclado. Isto ocorre porque a produção de sacos de papel requer mais energia e água, além de serem mais pesados que os de plástico, o que os torna mais caros de transportar. Quanto aos sacos de algodão – precisam ser utilizados ​​pelo menos 131 vezes para serem tão ecológicos quanto os sacos de plástico.

O plástico não é mau, mau é a utilização que fazemos dele. E se até aqui no nosso país as coisas até pareciam que estavam a tomar um bom rumo, a pandemia do Covis fez-nos esquecer tudo isso. Aliás basta andar pelas ruas para se ver que as máscaras parece que nascem nas ruas. E basta ir a um supermercado e ver que as luvas de plástico de uso único hoje em dia, são o pão nosso de cada dia.

Eu sinceramente até nem me preocupo muito com o meu futuro, mas preocupo-me imenso com o dia de «amanhã» da minha pimpolha e aí são os adultos de hoje que irão deixar a o Planeta de amanhã.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub