Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

25
Ago15

Sardinha em brasa

jl

ng4594022.jpgBoas. Hoje por curiosidade estava a ler o JN e vi uma noticia que me despertou uma certa curiosidade. Aqui vai:

Governo ajuda pescadores com 20 euros por dia

O Governo vai apoiar a paragem temporária da pesca da sardinha até 30 de novembro. Cada pescador receberá 20 euros por dia, enquanto os mestres terão direito a 24.

A portaria saiu na segunda-feira, um dia antes da reunião, marcada para esta terça-feira, entre as organizações de pesca, a Direção-geral e a Secretaria de Estado das Pescas. "De mau tom", dizem os pescadores, que querem ainda saber do que vão viver, sem quota para pescar e sem apoios, depois de 30 de novembro. Há 130 barcos e 2500 pescadores a viver da sardinha.

"Faz algum sentido a gente ir ter a reunião se eles já decidiram e já puseram a portaria cá fora?", questiona o presidente da Apropesca - Organização de Produtores de Pesca Artesanal, Carlos Cruz. Tem 12 barcos na sardinha, registados na Póvoa de Varzim e em Vila do Conde, e não esconde a indignação pela forma como o Ministério do Mar está a tratar as organizações representativas do setor.

No ano passado, a pesca da sardinha esteve parada entre 19 de setembro e 1 de março. À paragem forçada por limite da quota, entre setembro e dezembro, o Governo "colou" o defeso, entre janeiro e março. Resultado: mais de seis meses em casa. Este ano, com o fim da quota em Peniche e na Nazaré, que esgotaram a sua parte e estão proibidos de pescar desde sábado, o Governo já abriu a possibilidade de paragem. A partir de hoje, os barcos, com pelo menos 45 dias de atividade e um volume de sardinha não inferior a 7,5% do total do pescado, podem candidatar-se aos apoio à paragem por um período mínimo de 30 e máximo de 90 dias seguidos, que nunca poderá ultrapassar o dia 30 de novembro.

Depois disso, sem quota, os pescadores querem saber como vão viver: "Não aguentamos estar outra vez parados até março ou abril e ter uma quota ainda mais pequena do que a deste ano", afirma Carlos Cruz, antevendo o abandono da atividade para muitas embarcações.

Em primeiro lugar existem muitos desempregados que o Governo não os apoia em nada. Mas por outro lado os pescadores só param porque são obrigados pelo Governo. Mas se estas regras são conhecidas com antecedência porque não são colocadas no inicio de cada ano? Apesar de os anos irem passando acho que este país tem certas coisas que parece que estão a regredir. E se fosse só nisto! Um dia destes vamos ouvir falar que está tudo a arder novamente e que a área ardida em relação ao ano passado é muito maior. E que tempo é que tivemos o ano passado?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D