Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

marianagugudada

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

marianagugudada

28
Out19

Tudo em doses adequadas

jl

leguminosas.jpgBoas.

Como agora tenho tido mais cuidado com o que como, tenho tentado andar mais informado em relação a isso. E hoje deparei-me com uma informação que me deixou a coçar a cabeça. E digo que não foi por causa do piolho, mas sim por me ter deixado admirado.

E o que li foi que as leguminosas como todos sabem são saudáveis, mas por vezes também são um perigo.

As mesmas são uma fonte de proteína vegetal e dos alimentos mais completos a nível nutricional. E como tal não faltam motivos para comer leguminosas (feijões, grão-de-bico e lentilhas, ervilha, fava e grão de soja), mas no entanto há que ter cuidado. Como tudo na vida, o que é em excesso faz mal. Talvez por isso o dinheiro não quer nada comigo.

É verdade que o consumo regular de leguminosas está associado a um menor risco de doenças cardíacas, a uma melhor regulação dos níveis de colesterol e a uma queda da pressão arterial e esses são factores que fazem destes alimentos grandes amigos do coração.

Por exemplo o feijão é conhecido pela Medicina como um detentor de dois compostos químicos presentes em plantas que têm uma acção fundamental na prevenção do cancro.

Mas, nem todas as leguminosas possuem os aminoácidos essenciais, o que faz com que não sejam uma fonte proteica de excelência. Além disso, as leguminosas podem requerer alguns truques para que a sua digestibilidade seja mais eficaz: cozinhá-las com bicarbonato de sódio e combiná-las numa refeição com cereais são duas das técnicas mais aconselhadas.

As leguminosas, quando consumidas em excesso e/ou mal confeccionadas, podem também provocar dores de cabeça bem como reacções alérgicas.

Quem pretende fazer das leguminosas protagonistas das refeições principais deve procurar a ajuda de um médico ou nutricionista para saber se existe algum tipo de alergia ou se é necessária alguma mudança na alimentação para evitar ou atenuar as consequências do consumo destes produtos.

Eu por exemplo não sou alérgico ao feijão, mas a verdade é que aquilo por vezes me faz sentir um pouco inchadito!!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub