Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um hipnotizador em cada um de nós

por jl, em 07.11.17

telemoveis.jpgOlá

Hoje enquanto lia o que tinha saído na revista Visão desta semana vi um artigo bastante interessante que falava sobre o relacionamento entre os adolescentes e o telemóvel e que de seguida deixo aqui umas linhas:

Quando os adolescentes não deixam o telemóvel... nem no banho

Serão viciados ou simplesmente a tirar partido de tudo  e mais alguma coisa que o smartphone tem para oferecer?

Na cama, na casa-de-banho, no sofá ou na cozinha. Com amigos e família ou a sós, a caminho da escola. Dar mais um gosto numa fotografia ou num texto. Enviar uma mensagem, partilhar uma foto, fazer um vídeo e mostrá-lo em directo, fingir de guerreiro num jogo. Na palma da mão vai tudo: a música, os amigos, a família, a escola, os jogos, as memórias.

Mariana, uma miúda de 13 anos, até confessa que não pode passar 24 horas sem o telemóvel. Até quando está muito tempo se lhe mexer estranha: "Faz-me impressão não estar contactável e não ver o que os meus amigos publicam." O distúrbio é tão comum que até já ganhou um nome: fear of missing out (ou receio de estar a perder alguma coisa, em tradução livre). O medo de estar longe do telemóvel até se pode transformar numa nomofobia (trocadilho com a expressão inglesa no mobile).

Um estudo realizado nos Estados Unidos revelava que 50% dos sentiam-se dependentes dos seus telemóveis, 78% consultavam-nos a cada hora e 72% tinham a necessidade de responder imediatamente a mensagens ou ver notificações das redes sociais. As conclusões são de 2016, da Common Sense, organização norte-americana sem fins lucrativos. No entanto, esta parece ser a tendência generalizada de uma geração inteira, em todo o mundo.

Com um telemóvel no bolso, à distância de um clique, perdeu-se uma capacidade importante do nosso comportamento: a do aborrecimento. A capacidade de estarmos connosco próprios, a oportunidade de reflectir sobre o que tem acontecido nos últimos dias e reflectir sobre isso mesmo ou de ver as pessoas passar, reparar nas coisas, pensar na vida. Ir ao café ou pegar numa folha e fazer um desenho é daquelas coisas que rapidamente estão a desaparecer.

Uma das coisas que agora faço muito é circular no Metro e dá para confirmar estes factos, mas o que mais me impressiona é que embora o artigo que vem na Visão fale essencialmente nos jovens, este «problema» afecta todas as faixas etárias. Ainda na passada semana estava a ver um casal com os seus dois filhos adolescentes em que os quatro não trocavam um olhar ou uma palavra já que durante a viagem que durou cerca de vinte minutos cada um deles basicamente estava hipnotizado pelo seu telefone. Eu sinceramente  gosto de estar de vez em quando ao telefone, mas ele é um aparelho que foi inventado para me servir, mas hoje em dia as pessoas são quase escravas dos mesmos. E jánão falo da questão da vaidade porque nas gerações mais novas o normal é ter um telefone de 600 ou 700 euros porque o status dá aquele estilo. Podem não querer gastar 2 € no básico, mas para o resto tudo bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22



A vida não é feita por parcelas, é feita pelo todo

Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Comentários recentes

  • O Engenheiro

    Bem visto!!

  • Alfa

    Realmente... :).

  • mami

    gosto de pessoas originais!

  • Carlos

    Para tudo existe um limite, muitas vezes ultrapass...

  • Maribel Maia

    Ah ah ah! Os miúdos não querem outra coisa, pizza ...


Mensagens




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D